APED garante que lojas e hipermercados funcionam com normalidade

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) garante que as lojas e hipermercados estão a funcionar “com normalidade”, apesar da greve.

“Apesar da greve convocada pelos sindicatos para este dia 24 de dezembro, a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) e os seus associados garantem o normal funcionamento dos hipermercados, supermercados e lojas de retalho não alimentar/especializado”, refere a associação em comunicado.

A APED relembra que está a decorrer, em sede própria, a negociação dos termos e condições do Contrato Coletivo de Trabalho e lamenta que esta greve “aconteça quando foi já demonstrada de forma ativa a vontade da associação em contribuir para a valorização e dignificação dos colaboradores do setor, tendo já apresentado aos sindicatos soluções concretas ao longo do período de negociação que de resto, ainda está em curso”.

“Apesar de reconhecer o direito à greve como ato reivindicativo, sobretudo no momento atual do país, a APED considera que este instrumento, que tem vindo a ser utilizado de forma reiterada por algumas estruturas sindicais que dizem representar os trabalhadores, não contribui para um compromisso dos sindicatos com o diálogo e com os reais interesses dos mais de 120.000 trabalhadores do setor”, afirma o diretor-geral da APED, Gonçalo Lobo Xavier, citado na nota.

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) tinha dito esperar uma “adesão com expressão significativa” na greve de hoje dos funcionários dos supermercados.

A estrutura sindical, que lançou o pré-aviso de greve para os trabalhadores das empresas de distribuição (super, hipermercados, armazéns e logísticas das empresas de distribuição e lojas especializadas) para o dia de hoje, véspera de Natal, apontou a ausência de acordo nas negociações com a APED como razão para a paralisação.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários