Apenas 9% dos patrões prevêem contratar mais no quarto trimestre

O último ManpowerGroup Employment Outlook Survey, com base na opinião de 625 empregadores em Portugal, mostra intenções de contratação moderadas para o quarto trimestre de 2017.

Os empregadores nacionais prevêem manter os níveis de contratação nos últimos três meses do ano. O mais recente ManpowerGroup Employment Outlook Survey, com base na opinião de 625 empregadores em Portugal, mostrou intenções de contratação moderadas para o quarto trimestre de 2017.

O relatório da agência de emprego e de negócios, divulgado esta terça-feira, concluiu que 82 dos patrões em Portugal não vão alterar o número de novos empregados que vão colocar da empresa, entre os meses de outubro e dezembro. Apenas 9% dos empregadores estimam um aumento e 6% antecipam, pelo contrário, uma redução na quantidade de novos contratos.

Para o quarto e último trimestre de 2017, a análise da ManpowerGroup, que mede as intenções dos empregadores sobre a subida ou a quebra do número de trabalhadores ao seu serviço, calcula que haja uma projeção para a criação líquida de emprego de 3%. Assim, a diferença entre a percentagem de empregadores que planeia aumentar a sua força de trabalho e a percentagem de empregadores que planeia reduzi-la será positiva mas pouco significativa.

“Após os meses de verão, muito marcados por um aumento do consumo e estimulado pela indústria hoteleira, assistimos a uma projeção de criação líquida de emprego na ordem dos 3%. Este resultado representa um decréscimo de 9% face ao trimestre anterior e representa igualmente a estabilidade da economia portuguesa quando comparado com o período homólogo do ano passado”, afirma Nuno Gameiro, country manager da ManpowerGroup Portugal.

O responsável pela empresa considera que os resultados espelham a sazonalidade da economia nacional. “Os setores de Finanças, Seguros, Imobiliário e Serviços, de Comércio Grossista e Retalhista e de Indústria, serão os principais criadores de emprego no trimestre entre outubro e dezembro”, acrescenta.

A nível internacional, a tendência de mudança na criação líquida de emprego também se mantem, tendo em conta que em 42 dos 43 países inquiridos, a contratação deverá prosseguir em terreno positivo – à exceção da Suíça.

Comparativamente ao último trimestre de 2016, as perspetivas de contratação sobem em 25 dos 43 países, diminuem em 15 e mantêm-se inalteradas em três. “Globalmente, as melhores projeções são reportadas pelos empregadores de Japão (+23%), Taiwan (+22%), Costa Rica (+19%), Índia (+19%) e Hungria (+18%). Por oposição, as projeções menos animadoras para o quarto trimestre de 2017 chegam-nos de Suíça (0%), Brasil (+1%) e República Checa (+1%)”, refere o ManpowerGroup Employment Outlook Survey.

Recomendadas

Venezuela prepara acordos com petrolífera Chevron após alívio de sanções

A Venezuela anunciou hoje que vai assinar, nas próximas horas, acordos com a petrolífera norte-americana Chevron para impulsionar o desenvolvimento local de empresas mistas (capital público e privado) e a produção de petróleo.

“Via Verde rejeita categoricamente qualquer acusação de burla” que circule no Portal da Queixa

“Sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema”, justifica. “Este alerta visa sempre proteger os clientes. Se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo”, esclarece fonte oficial da empresa ao JE.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.
Comentários