PremiumApetite pelo risco vai ter proveitos mais modestos

BlackRock prevê que recuperação do crescimento económico irá continuar a dar retornos aos investidores em ação, mas pausa na política monetária acomodatícia vai limitar os ganhos.

Os ativos de risco vão oferecer ganhos mais modestos a nível global no próximo ano. A projeção é da maior gestora de ativos do mundo, a BlackRock, que no outlook para 2020 destaca que os bancos centrais parecem dispostos a não avançar com uma posição mais acomodatícia com que terminam a década.

Segundo os analistas da gestora, o crescimento económico mundial deverá recuperar em 2020, diminuindo os riscos de uma recessão que assombrou os mercados durante este ano. Paralelamente, os bancos centrais, que têm mantido política monetário muito acomodatícia vão colocar em pausa o ritmo do corte nas taxas de juro , o que irá limitar os retornos dos investidores.

“A expansão dos múltiplos de avaliação que impulsionaram os mercados acionistas em 2019 – e a política dovish dos bancos centrais que ajudou a compensar a queda causada pelas crescentes tensões comerciais – parecem ter ficado no passado”, explicam os analistas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários