PremiumApoio à formação vai cobrir parte dos custos salariais

Em resposta à inflação, o Governo anunciou, entre outras medidas, um apoio para a formação dos trabalhadores nas horas vazias. Custos salariais serão parcialmente cobertos, aliviando os encargos das empresas, revela João Neves.

As empresas que tenham trabalhadores com horas vazias por terem ajustado o seu planeamento de produção em resposta ao aumento dos custos vão ter à sua disposição uma nova ajuda. O Governo anunciou um apoio à formação qualificada dos trabalhadores desses empregadores, sendo que essa medida, adiantou ao Jornal Económico o secretário de Estado da Economia, João Neves, cobrirá em parte os custos salariais, aliviando os encargos das empresas.

“O que desejamos é que as empresas tenham condições de responder à procura, que é muita, mas também tenham condições de adaptar os seus tempos [de trabalho] e usar os tempos vazios em atividades de formação”, explica o responsável, detalhando que a lógica desta nova medida é “completamente distinta” da que esteve subjacente ao layoff simplificado. Tão popular durante a crise pandémica, o layoff simplificado permitiu aos empregadores em crise suspender os contratos de trabalho ou reduzir os horários dos trabalhadores.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários