Forall Phones vendida a investidor privado português com ligações à China

Empresa alavancou o negócio dos recondicionados, em Portugal, em menos de cinco anos. Startup estimulou a entrada de empresas como a Worten e Fnac no mercado dos aparelhos semi-novos. Em 2019, volume de negócios ascendia aos oito milhões. Para resistir à concorrência, Forall Phones precisava de mais investimento. Fundador, de apenas 24 anos, vendeu agora empresa a investidor privado.

Fundador da Forall Phones e da imobiliária Relive, José Costa Rodrigues | Foto cedida

O fundador e até agora líder da Forall Phones, José Costa Rodrigues vendeu a empresa de equipamentos recondicionados da marca Apple, criada em 2015, a um investidor privado português com ligações à China. A operação foi anunciada na terça-feira e contempla também a venda da participação do sócio Manuel Castel-Branco. Devido aos termos de confidencialidade do negócio, o nome do investidor ou o montante da transação não são ainda conhecidos.

“Assinei oficialmente a venda da Forall Phones. Hoje, com o sentimento de missão cumprida, despeço-me de um projeto muito querido, que iniciei aos 19 anos”, escreveu o jovem empresário de 24 anos nas redes sociais.

A Forall Phones foi criada há cerca de cinco anos, quando “não existia um negócio de revenda de tecnologia usada, em Portugal”. Desde então a empresa não parou de crescer e tornou-se num símbolo do mercado de recondicionados, em Portugal, segundo contou Costa Rodrigues ao Jornal Económico. Em 2019, volume de negócios ascendia s oito milhões de euros. E, desde 2015, as vendas da Foral Phones totalizam “cerca de 20,5 milhões de euros”. Foi, precisamente, o crescimento contínuo da empresa que ditou a necessidade da sua venda.

Costa Rodrigues defende que até à criação criação da empresa de equipamentos recondicionados da marca Apple, o mercado de venda de iPhones ou iPads em segunda mão exista apenas num plano “secundário, em plataformas como a OLX”, sem marcas de referência, legislação ou controlo de qualidade dos produtos.

“Quando nós aparecemos, o mercado foi tomando forma e criámos uma marca forte”, disse. Resultado? “A empresa cresceu muito, rápido e chegou muito depressa ao primeiro milhão nas vendas”. Esse crescimento fez com que o empresário sub-30 tivesse de encontrar um gestor “com experiência no ramo das telecomunicações e em gestão, que pudesse ajudar no dia a dia” e orientar a empresa na sua rápida trajetória de crescimento.

“Conseguimos contratar um gestor e, depois, controlamos o negócio, com margens e rentabilidade. Entretanto todos quiseram um pedaço dos recondicionados – Worten, Fnac, a Phone House, a Rádio Popular etc.”, contou. Ou seja, o mercado dos recondicionados consolidou-se e a pequena empresa, criada a partir de Ourém (concelho do distrito de Santarém) e que “a certa altura já contava com 70 ou 80 pessoas”, começou a enfrentar a concorrência dos grandes players nacionais da distribuição tecnológica. Isto em menos de cinco anos.

“Todos eles falaram comigo antes de entrarem neste mercado”, revelou o empresário. No decorrer do ano de 2019, a Worten e a Fnac compraram empresas especializadas em reparação de equipamentos eletrónicos – a iServices e a PC Clinic, respetivamente. “Obviamente, o mercado estava a crescer e a Forall, para continuar a ter uma palavra a dizer e continuar como a líder dos recondicionados, em Portugal, precisava também de se consolidar para ter força e batalhar”. Assim, perante a o aumento da competitividade neste mercado, José Costa Rodrigues percebeu que o próximo passo passava por encontrar alguém com maior capacidade de investimento, para ajudar a empresa a enfrentar a concorrência de companhias de dimensão superior.

O investidor pretendido poderia ter chegado em março, deste ano, dias antes da pandemia da Covid-19 se instalar em Portugal. “No final de 2019, tivemos uma empresa portuguesa muito grande, cotada em bolsa, em conversas bastante aprofundadas para adquirir a Forall”, revelou o jovem empresário. O comprador iria incorporar a Forall Phones, tornado-a “complementar” ao seu core business.

“Estávamos a dar lucro – só em dezembro vendemos 1,5 milhões de euros – e fomos abordados. O negócio já estava em fase de avaliação da empresa e de ofertas, em março. Mas o negócio foi interrompido”, acrescentou.

Tardou, mas o fundador fechou esta semana a venda da primeira empresa que criou. Costa Rodrigues e o seu sócio Manuel Castel-Branco venderam a Forall Phones a “um investidor privado português com muitos anos no ramo das telecomunicações e da distribuição de equipamentos eletrónicos [sourcing, produção e distribuição] nas grandes superfícies, que faz o negócio como parceiro local chinês.

O comprador traz para a Forall Phones conhecimento do mercado, “mas também muito capital”. “E é isso que a Forall precisa para lutar com os concorrentes”, salientou o jovem gestor. Com exceção das saídas dos empresários José Costa Rodrigues e Manuel Castel-Branco, o novo dono da empresa “vai manter a equipa de gestão e a marca”. “Não vão existir mudanças estruturais visíveis”, disse.

José Costa Rodrigues criou  a Forall Phones com 19 anos, tendo liderado a empresa até ao verão de 2019. Manteve-se até agora como acionista e membro da administração. Atualmente, a Forall Phones conta com cerca de 50 trabalhadores, operando em seis espaços físicos.

Futuro de jovens empresários passa pelo imobiliário e mobilidade
“A história da Forall foi bonita e será agora bonita com o novo investidor, mas temos de olhar para a frente e agora a minha história é com a Relive”, escreveu Costa Rodrigues nas redes sociais.

Questionado pelo futuro enquanto empresário, José Costa Rodrigues disse que vai focar-se na Relive, a imobiliária digital que fundou este verão.

“A Uber transformou a mobilidade, a Revolut transformou a banca, o Airbnb transformou o alojamento. Mas no imobiliário continua tudo igual. Acho que há oportunidade, tal como se faz nos EUA ou em França, tornar a experiência de compra, venda ou arrendamento mais digital. Obviamente que para comprar uma casa temos de ir vê-la, mas há uma série de processos e burocracias que podem ser feitos online. Estamos a surfar um bocadinho essa onda”, contou.

Já o jovem gestor Manuel Castel-Branco, que era sócio e administrador financeiro da Forall Phones e que também sai da empresa, vai ingressar na Bolt, operador de mobilidade presente em Portugal desde janeiro de 2018.

“Agradeço muito a toda a incrível equipa de Forall que tornou isto possível. Em especial ao meu sócio José Costa Rodrigues por me ter trazido para esta aventura. Para mim, será agora o início de um novo desafio na Bolt”, escreveu nas redes sociais.

[Informação atualizada com o post de Manuel Castel-Branco]

Relacionadas

Forall Phones triplica vendas online, evita lay-off e mantém planos de expansão apesar da pandemia de Covid-19

Fechou 2019 com um volume de negócios de oito milhões de euros. Apesar da pandemia da Covid-19 as vendas online triplicaram para 450 mil euros e a startup de venda de telemóveis e computadores recondicionados da marca Apple mantêm planos de expansão para abrir a décima segunda loja. No segundo semestre deverá “acelerar” a internacionalização da marca.
Recomendadas

Continental Engineering Services quer contratar 200 pessoas e duplicar efetivos até final de 2023

A subsidiária do Grupo Continental, que fornece serviços de engenharia às indústrias, abre as suas portas na cidade Invicta ao primeiro ‘OPEN DAY’ no próximo dia 29 de setembro para um primeiro contacto com jovens candidatos.

Banca europeia vai beneficiar da receita com juros, mas esta será consumida pelo aumento das imparidades para crédito

O relatório conclui que taxas de juros crescentes trazem margem financeira para os bancos europeus, mas custos e imparidades mais altos compensarão os benefícios. Nesta amostra  de 34 maiores bancos europeus não estão incluídos bancos portugueses e há três espanhóis (Santander, BBVA e CaixaBank).

Receita da Easyjet para um aeroporto de Lisboa constrangido: usar aviões maiores

A companhia britânica está a investir em aviões maiores. Por voo, representa mais 80 passageiros.
Comentários