Apple e Amazon a caminho da Arábia Saudita

Os dois gigantes estão em negociações com Riad para entrar no mais conservador reino do Médio Oriente, aproveitando os ventos de mudança introduzidos pelo príncipe herdeiro Mohamed bin Salman.

A notícia de que a mais lucrativa tecnológica do mundo, a Apple e o gigante de comércio eletrónico Amazon estão a preparar-se para investir na Arábia Saudita é avançada pela agência Reuters, que cita duas fontes próximas do processo.

Uma terceira fonte confirmou à agência que a Apple estava já em negociações com a SAGIA, autoridade de investimento estrangeiro da Arábia Saudita.

Tanto a Apple como a Amazon vendem já os seus produtos na Arábia Saudita através de terceiros, mas nem estas empresas nem nenhum gigante tecnológico tem presença direta no país.

Nos dois últimos anos, o príncipe herdeiro da monarquia mais conservadora do mundo Mohamed bin Salman tem vindo a introduzir alguma abertura na sociedade. A queda dos preços do petróleo destapou a necessidade de diversificar uma economia totalmente dependente do petróleo, o que passa pelo investimento estrangeiro.

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários