Apple expande serviço de reparo ‘self service’ para Macs e iPhones para a Europa

A oferta, conhecida como ‘Self Service Repair’, vai passar a permitir que utilizadores na França, Bélgica, Alemanha, Polónia, Espanha, Reino Unido, Itália e Suécia comprem peças para poder reparar os seus telemóveis.

16 – Apple

A Apple anunciou, esta terça-feira que vai começar a permitir que clientes em oito países europeus consertem os próprios dispositivos, expandindo assim o programa que foi lançado nos EUA no início deste ano.

A oferta, conhecida como Self Service Repair, vai passar a permitir que utilizadores na França, Bélgica, Alemanha, Polónia, Espanha, Reino Unido, Itália e Suécia comprem peças on-line para o iPhone SE, iPhone 12, iPhone 13 e certos computadores para que possam realizar os próprios reparos, segundo a “Bloomberg”.

Assim, como parte do programa, um cliente poderá alugar um grande kit de ferramentas de reparo por cerca de 60 euros, comprar peças individuais e receber manuais de instruções da Apple.

A Apple não recomenda que a maioria dos consumidores conserte os próprios dispositivos, mas grupos de defesa do direito ao reparo têm pressionado a empresa por diversos anos de forma a permitir a prática. O programa foi lançado pela primeira vez nos EUA em abril.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários