Apple tenciona fabricar até 25% dos iPhones na Índia

A marca tenciona encontrar outro destino para a produção de iPhones, depois da sua maior fábrica na China ter parado a produção após um surto de COVID e de protestos por parte dos trabalhadores.

A Apple tenciona deslocar a fabricação de 25% de todos os seus iPhones para a Índia, afirmou o ministro do Comércio e Indústria da Índia, Piyush Goyal, esta segunda-feira de acordo com a CNBC Atualmente a empresa tem apenas 5% a 7% da sua produção de smartphones da Índia, mas o CEO da Apple, Tim Cook vê este país com um grande potencial para crescimento.

A marca investiu no país desde 2017, através da Wistron e mais tarde com a Foxconn, sendo que produzia apenas modelos mais antigos dos telemóveis no país. Segundo informação dada à Reuters no final do ano passado, a Foxconn pretende quadruplicar a força de trabalho na fábrica de iPhone na índia em dois anos.

A maior fábrica da empresa fica na China, é administrada pela Foxconn e parou a sua produção após um surto de COVID no ano passado e depois de protestos por parte dos trabalhadores. Posteriormente a estes acontecimentos a empresa tenciona mudar a produção dos seus produtos para fora da China.

A Apple ainda não comentou o anúncio do ministro indiano nem informou até quando é que pretende fazer esta transição de produção.

Recomendadas

Tesla dispara na bolsa depois de resultados recorde de 2022

Ao fecho das negociações em Wall Street, cada ação da Tesla estava avaliada em 177,90 dólares, mais 17,63 dólares do que no dia anterior. Isso fez com que a empresa encerrasse a semana numa valorização de 33% face à semana anterior
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo Tribunal de Justiça alerta para campanha de ‘phishing’ que usa logótipo do STJ

De acordo com as boas práticas e de forma a não ser vítima de ‘phishing’, o STJ recomenda, assim, que os utilizadores de plataformas digitais nunca acedam a links ou anexos de emails que se vislumbrem desconhecidos ou suspeitos.

Flybe. Companhia aérea que foi liderada por CEO da TAP apresenta falência

Christine Ourmières-Widener esteve dois anos e sete meses na Flybe, saindo nove meses antes da low-cost britânica apresentar falência pela primeira vez, na mesma altura em que a pandemia fechou os espaços aéreos e aeroportos.
Comentários