“Aprendemos com os erros”. O que pode esperar Angola do financiamento do FMI?

“O FMI de hoje não é o FMI do passado, pois aprendemos com os erros e defendemos políticas amigas do crescimento”, sublinhou Lagarde, ladeada por João Lourenço.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou hoje, em Luanda, que o programa de assistência a Angola, para já, não vai aumentar os impostos, os despedimentos na função pública nem o preço dos combustíveis.

Christine Lagarde falava aos jornalistas depois de ter sido recebida em audiência pelo Presidente de Angola, João Lourenço, primeiro ato oficial de uma visita de dois dias a Luanda.

“O FMI de hoje não é o FMI do passado, pois aprendemos com os erros e defendemos políticas amigas do crescimento”, sublinhou Lagarde, ladeada por João Lourenço.

Por seu lado, João Lourenço salientou que a primeira tranche dos 3,7 mil milhões de dólares atribuídos pelo Conselho de Administração do FMI, no valor de mil milhões de dólares, já foi disponibilizada pela instituição de Bretton Woods.

O Presidente angolano ressalvou que as condições do financiamento do FMI “não têm qualquer comparação” com outros empréstimos da instituição a países africanos, “que têm sempre condições mais gravosas que Angola”.

“Eu confirmo”, disse imediatamente Lagarde, provocando risos entre os membros da delegação do FMI e da equipa governamental presentes nos jardins do Palácio Presidencial.

Relacionadas

Lagarde chega a Luanda para oficializar empréstimo de 3,2 mil milhões de euros

Christine Lagarde será recebida à tarde, pouco depois de aterrar em Luanda, pelo Presidente de Angola, João Lourenço, após o que haverá declarações à imprensa nos jardins do Palácio Presidencial.

Angola arrisca-se a cair para quinta maior economia de África

A Bloomberg Intelligence alertou que novas desvalorizações do kwanza, no seguimento do acordo com o FMI, podem fazer com que Angola caia para o quinto lugar das maiores economias da África subsariana.

FMI anuncia financiamento 3,7 mil milhões de dólares para Angola

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou um pacote de ajuda externa a Angola no valor de 3,7 mil milhões de dólares (3,3 mil milhões de euros) para apoiar o programa de reforma económica e fiscal do país.
Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.
Comentários