Aprovação do comprimido da Pfizer nos Estados Unidos anima Wall Street

A Tesla disparou 7%, para mais de mil dólares, no fecho da sessão desta quarta-feira. Logo, as indicações dos analistas do Norddeutsche Landesbank de que a fábrica alemã da fabricante automóvel não irá receber aprovação este ano foram ignoradas na praça nova-iorquina.

Reuters

A bolsa de Nova Iorque fechou a sessão desta quarta-feira em terreno positivo, depois de ser anunciado que o regulador do medicamento dos Estados Unidos (EUA) aprovou o primeiro comprimido para a Covid-19, da Pfizer, numa altura em que persistem receios em torno da variante Ómicron, altamente transmissível.

Os mercados financeiros dos EUA fecham no ‘verde’, com o índice industrial Dow Jones a avançar 0,74% para 35.753,89 pontos, o financeiro S&P 500 a subir 0,98%, para 4.694,96 pontos, e o tecnológico Nasdaq a somar 1,18% para 15.521,90 pontos. Por sua vez, o Russel 2000 valorizou 1% para 2.220,90 pontos.

A Tesla disparou 7,49% para 1.008,87 dólares, na sequência de o CEO, Elon Musk, ter dito que já vendeu ações suficientes para atingir a sua meta de vender 10% dos títulos que detém. Logo, as indicações dos analistas do Norddeutsche Landesbank de que a fábrica alemã da Tesla não irá receber aprovação este ano foram ignoradas na praça nova-iorquina.

Já as ações da chinesa Alibaba caíram 4,21% para 117,81 dólares depois de a Atlantic Equities ter feito um downgrade aos títulos da empresa de e-commerce fundada por Jack Ma de “overweight” (desempenho acima do seu índice de referência) para “neutra” devido a preocupações de que as plataformas de compras Alibaba Tmall e Taobao não apresentem melhorias nas performances no curto prazo.

Em termos macroeconómicos, foi revelado que a economia norte-americana afinal terá crescido, em termos homólogos, 2,3% no terceiro trimestre, acima dos 2,1% anteriormente previstos.

O preço do ‘ouro negro’ está a subir mais de 2%. O preço do WTI, produzido no Texas, está a subir 2,53% para os 72,92 dólares por barril, enquanto a cotação do barril de Brent está a valorizar 2,04% para os 75,47 dólares. “O relatório da American Petroleum Institute (API) apontou uma queda de 3,67 milhões de barris nos inventários de petróleo dos EUA, quando a expectativa era de -2,5 milhões de barris”, destaca Henrique Tomé, analista da XTB, numa nota de mercado.

Quanto ao mercado cambial, o euro está a subir 0,47% para os 1,1336 dólares, enquanto a libra esterlina valoriza 0,72% face à moeda dos Estados Unidos, para os 1,3361 dólares.

Relacionadas

Estados Unidos aprovam primeiro comprimido contra a Covid-19

O comprimido do laboratório Pfizer é o primeiro tratamento oral contra a covid-19 que os norte-americanos poderão tomar em casa.

Autoagendamento da terceira dose da vacina a partir dos 55 anos disponível amanhã

A modalidade Casa Aberta vai estar disponível na quinta-feira para a administração de doses de reforço da vacina contra a Covid-19 e da vacina da gripe a pessoas elegíveis com 63 ou mais anos.
Recomendadas

Luta da Fed contra a inflação atinge Wall Street no fecho da sessão

De resto, o organismo liderado por Jerome Powell deu conta na semana passada da possibilidade de as taxas de juro continuarem em alta até 2023 fez com que os três principais índices tivessem caído na última semana entre 4% e 5%.

Banco de Inglaterra anuncia cenário para “testes de stress” com libra em queda

O Banco de Inglaterra divulgou hoje o cenário para testar a resistência dos grandes bancos do Reino Unido, quando o mercado obrigacionista britânico e a libra estão abalados pelas medidas orçamentais anunciadas pelo novo Governo.

Bolsa de Lisboa entre as que mais caíram. EDP Renováveis lidera perdas

O BCE e a OCDE penalizaram os mercados. “O italiano Footsie MIB foi a exceção após a vitória maioritária de Giorgia Meloni do partido de extrema-direita para o cargo de primeira-ministra, nas eleições realizadas ontem”, realçou o analista do BCP.
Comentários