Arábia Saudita atacou capital do Iémen em retaliação

Depois da aparente solução encontrada para o Líbano, os sauditas envolvem-se em mais uma escalada de violência, na tentativa de vingarem a morte de um ex-presidente às mãos dos xiitas.

Os bombardeios aéreos pesados ​​da coligação liderada pela Arábia Saudita atacaram a capital do Iémen na noite de ontem, atingindo bairros densamente povoados de Sanaa em aparente vingança pelo assassinato do ex-presidente do país Ali Abdullah Saleh às mãos dos rebeldes xiitas, segundo avança a agência Associated Press (AP).

O corpo de Ali Abdullah Saleh, que pode ser visto em vídeos difundidos pelos rebeldes, foi levado para o hospital militar da capital, também controlado pelos rebeldes, mas não ficou claro se foi permitido à família recuperar o cadáver, segundo relata a mesma fonte.

As imagens da morte de Saleh fazem lembrar o descalabro que foi a morte de Moamar Kaddafi, na Líbia em 2011, numa altura em que o antigo presidente do país era perseguido por aqueles que pouco antes o tinham apoiado de forma praticamente incondicional. É que os rebeldes xiitas, conhecidos como Houthis, chegaram a ser apoiantes de Saleh – antes de uma reviravolta que mudou tudo, das várias que ali se verificaram e que fazem com que a comunidade internacional esteja cada vez mais afastada do processo.

Do Cairo, e ainda segundo a AP, o presidente da Liga Árabe, Ahmed Aboul-Gheit, denunciou aquilo que apelidou de “assassinato de Saleh às mãos de “milícias criminosas” e advertiu que a situação no Iêmen poderia piorar, aprofundando a crise humanitária que assola a região. Aboul-Gheit afirmou – por via de um porta-voz oficial – que a comunidade internacional deveria considerar o Houthis como “uma organização terrorista”. “Todos os meios devem ser usados ​​para que o povo iemenita se liberte deste pesadelo”, acrescentou.

O desaparecimento de Saleh acaba com a esperança do governo do Iémen internacionalmente reconhecido e apoiado pela Arábia Saudita de que o divórcio político entre Saleh e os rebeldes, apoiados pelo Irão, podia enfraquecê-los e dar ao executivo e à coligação a oportunidade de acabar com a guerra.

A agudizar do conflito no Iémen dá-se poucos dias depois de ter sido encontrada, aparentemente, uma solução para o problema da demissão e posterior recondução do primeiro-ministro libanês. Ambos os conflitos inscrevem-se na luta cada vez mais declarada entre a Arábia Saudita e o Irão, que está a deixar o Médio Oriente a ferro e fogo.

Para um número crescente de observadores, uma guerra aberta entre os dois países não é uma hipótese a excluir a prazo, se a comunidade internacional não conseguir convencer Riade e Teerão e voltarem atrás nas suas posições cada vez mais antagónicas. A intromissão dos Estados Unidos na questão, nomeadamente desde que Donald Trump assumiu a presidência do país, não tem, segundo afirmam muitos comentadores, ajudado a solucionar o conflito.

Recomendadas

Governo britânico dilui legislação sobre conteúdos nas redes sociais

O Governo britânico abandonou um plano para obrigar as empresas de tecnologia a remover conteúdos da Internet que são prejudiciais mas legais, após críticas de deputados e grupos defensores de liberdades civis.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Moçambique. Ministério Público acusa ex-ministro das Finanças num outro caso de corrupção

A imputação faz parte de um segundo processo-crime por corrupção que Manuel Chang enfrenta, dado que é também alvo de um pedido de extradição pelas autoridades moçambicanas, no âmbito de um processo autónomo, pelo seu alegado envolvimento no caso das dívidas ocultas.
Comentários