Área ardida na Califórnia já é maior que Nova Iorque

Duzentas mil pessoas tiveram de ser retiradas das suas casas, no espaço de duas semanas e cerca de 800 edifícios ficaram destruídos,

O incêndio mais destrutivo, ainda a lavrar no sul da Califórnia, (EUA=, expandiu significativamente desde domingo e as chamas já consumiram uma área maior do que a cidade de Nova Iorque.

O ‘Thomas’, nome pela qual as autoridades designaram o incêndio, por ter deflagrado perto da faculdade Tomás de Aquino, tem devastado os territórios dos condados de Ventura e Santa Barbara, totalizando uma área ardida total de 93 mil hectares no espaço de uma semana. Os residentes das áreas afectadas já receberam ordens para deixar as suas casas.

Alimentado por ventos fortes, o ‘Thomas’ é já o quinto maior incêndio da história do estado norte-americano. Segundo a BBC, no domingo, as corporações de bombeiros que estão a trabalhar no combate aos fogos tinham anunciado que 15% do incêndio já estava extinto, mas foram forçadas a rever o número para 10% à medida que as chamas foram alastrando a outras áreas do sul.

Desde 4 de dezembro, quando deflagrou o primeiro fogo na região, os bombeiros da Califórnia conseguiram controlar a maioria dos incêndios, mas entre Ventura e Santa Bárbara, em particular perto do oceano, o fogo continua a alastrar.

Duzentas mil pessoas tiveram de ser retiradas das suas casas, no espaço de duas semanas e cerca de 800 edifícios ficaram destruídos, números que deverão aumentar agora que as autoridades ordenaram a evacuação de partes de Carpinteria, um condado próximo da Floresta Nacional Los Padres, a cerca de 160 quilómetros da cidade de Los Angeles.

Recomendadas

Chefe do Estado-Maior são-tomense demite-se após ataque a quartel militar

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de São Tomé e Príncipe pediu hoje a demissão, denunciando “atos de traição” e condenando os “factos horrorosos” que envolveram a morte de quatro detidos após um ataque ao quartel-general militar.

Orbán usou dados fornecidos na vacinação Covid pelos húngaros para impulsionar campanha eleitoral

“Usar os dados pessoais das pessoas recolhidos para que possam aceder a serviços públicos para bombardeá-los com mensagens de campanha política é uma traição de confiança e um abuso de poder”, disse Deborah Brown, da Human Rights Watch.

Projeto “Ponte nas ondas” integra Boas Práticas de Património Imaterial da UNESCO

O projeto luso-galaico “Ponte nas Ondas” foi hoje reconhecido pela UNESCO, em Rabat, Marrocos, passando a integrar o Registo de Boas Práticas de Salvaguarda de Património Cultural Imaterial daquela organização internacional, tornando-se na primeira candidatura portuguesa da lista.
Comentários