Área Metropolitana do Porto: 74% do capital investido em 2019 é proveniente do estrangeiro

Estudo da consultora imobiliária Cushman & Wakefield revela que desde 2015, foram transacionados 571 milhões de euros em imobiliário comercial, dos quais 151 milhões de euros se concretizaram entre janeiro e setembro de 2019.

Ribeira Do Porto

Em 2019, 74% do capital investido na Área Metropolitana do Porto (AMP) foi proveniente do estrangeiro. Esta é uma das conclusões apresentadas pelo último estudo “Market Update Porto” divulgado pela consultora imobiliária Cushman & Wakefield. Desde 2015, foram transacionados 571 milhões de euros em imobiliário comercial, dos quais 151 milhões de euros entre janeiro e setembro de 2019.

O concelho do Porto é o mais representativo, com um peso médio de 53% do volume transacionado na AMP entre 2015 e 2019, crescendo para 89% se levarmos em conta apenas o presente ano. Os setores de escritórios e hotelaria foram os mais transacionados entre janeiro e setembro de 2019, atraindo respetivamente 34% e 32% do capital investido.

De resto, a área de hotelaria foi mesmo a mais ativa com um total de 48 milhões de euros realizados em quatro transações, enquanto o segmento de residências de estudantes esteve também em destaque com a aquisição pela Xior de uma residência por 18 milhões de euros.

Escritórios

No segmento dos escritórios o estudo indica que entre 2015 e 2017 o volume médio de absorção se tenha situado entre os 35 mil e os 45 mil m², com o ano de 2018 a registar um valor recorde, com mais de 80 mil m² transacionados. Já entre janeiro e setembro deste ano, o volume de ocupação situou-se nos 26 mil m², um valor que segundo este estudo se deve “em grande medida, pela escassez de oferta de espaços de qualidade”.

Contudo, até 2022 estão previstas a conclusão de nove projetos com uma área total superior a 110 mil m², da qual 72% se encontram em fase de construção. Destaque para o Porto Office Park, com 31.500 m²; o Porto Business Plaza, com 15.500 m² e o Palácio dos Correios, com 16.800 m².

Em termos de rendas prime (praticadas na Boavista, considerada o Central Business District do Grande Porto) indica o estudo que as mesmas se mantiveram estáveis ao longo dos últimos 12 meses nos 18 euros/m²/mês. No entanto, face à escassez de oferta, as rendas médias nesta mesma zona aumentaram no último trimestre para os 15 euros/m²/mês.

O setor de escritórios registou o maior negócio do ano na região, com a venda do edifício Burgo por parte da Dos Puntos Asset Management à Värde Partners por um valor superior a 40 milhões de euros.

Retalho

A consultora imobiliária registou desde 2015, perto de 630 negócios de retalho na AMP, 140 dos quais entre janeiro e setembro deste ano, com o comércio de rua a dominar a procura num total de 80 aberturas. Por sua vez, a atividade nos conjuntos comerciais aumentou o seu peso para os 34%, devido a recentes projetos de expansão e/ou renovação. Já a restauração registou 57% de aberturas.

Também no retalho as rendas prime encontram-se estabilizadas, fixando-se nos 75 euros/m²/mês na Rua de Santa Catarina, 45 euros/m²/mês nos Clérigos e 40 euros/m²/mês no eixo das Flores/Mouzinho da Silveira. O estudo revela ainda que a Avenida dos Aliados começa a ser visto como o destino de luxo do Porto, com novas aberturas programadas para o final de 2019 e um valor de renda médio de 55 euros/m²/mês.

Com cerca de 830 mil m² de área bruta localizada (ABL), o equivalente a 22% da área total nacional, a AMP contabiliza o segundo maior volume de oferta de conjuntos comerciais em Portugal, só superada pela Área Metropolitana de Lisboa com 1.300.000 m².

Recomendadas

Procura por quartos aumenta cerca de 50% em comparação ao ano passado

Segundo a Imovirtual “desde junho de 2021 até ao presente, existem dois grandes picos de procura, que ocorrem no início de setembro de 2021 e no início de setembro de 2022”.

Volkswagen Financial Services cria novo hub tecnológico em Matosinhos com apoio da CBRE

A CBRE, consultora na prestação de serviços para o sector imobiliário, acaba de fixar o novo hub tecnológico da Volkswagen Financial Services no Lionesa Business Hub, em Leça do Balio, no concelho de Matosinhos. As instalações da empresa alemã ocupam um total de 1.100 metros quadrados.

Preços da habitação aumentaram 13,2% no segundo trimestre e atingem recorde

No trimestre de referência, investidores não residentes foram responsáveis por 6,4% do número total de transações (2.783 habitações), correspondendo a 11,9% do valor total transacionado. Nesta procura, a categoria União Europeia correspondeu a 3,6% e os restantes países a 2,8%. 
Comentários