Argentina elimina imposto à exportação industrial

O fim dos impostos às exportações de produtos industriais é uma das primeiras medidas adotadas pelo recém eleito presidente da Argentina, Mauricio Macri.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Ao eliminar a tributação sobre a exportação industrial, Mauricio Macri, do centro direita, que sucedeu à populista Cristina Kirchner, espera, por um lado, dinamizar a produção nacional, e pelo outro, incentivar a entrada de fundos visando o relançamento da estagnada economia do país.

A agência Reuters noticia que no grupo dos produtos que deixarão de pagar imposto para serem vendidos no estrangeiro contam-se os químicos, plásticos, borracha, têxteis, calçado, artigos de pedra, pedras preciosas e metais básicos.

“É necessário implementar programas específicos para inverter o declínio nas exportações industriais, criando condições mais favoráveis ​​para a produção local e incentivar a sua competitividade no mercado externo através de medidas compensatórias”, escreve hoje a folha oficial do país.

Na semana passada, o Presidente tinha anunciado oficialmente a eliminação de impostos sobre as exportações de trigo, milho e carne, entre outros produtos agrícolas, bem como uma diminuição da taxa aplicada à soja.

OJE

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Liderança do Mecanismo Europeu de Estabilidade assegurada temporariamente por interino

A liderança do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) será assumida internamente pelo até agora diretor executivo adjunto, Christophe Frankel, até final do ano ou até ser possível encontrar um substituto que reúna aprovação dos ministros da zona euro.

BdP aponta a crescimento de 6,7% e inflação de 7,8% este ano

As atualizações de outubro das projeções macro do banco central mostram revisões em alta em relação aos 6,3% de crescimento e 5,9% de inflação projetados em junho, com o consumo privado e o turismo a apoiarem a recuperação.