Armazenamento mundial de petróleo atinge 90%

Os preços do petróleo, que ainda esta terça-feira tocaram mínimos de há 11 anos, fizeram disparar os stocks, praticamente esgotando a capacidade de armazenamento mundial.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A capacidade de armazenamento mundial de petróleo, atualmente nos 90% poderá chegar aos 100% no primeiro trimestre de 2016.

As autoridades venezuelanas reuniram com alguns embaixadores de países membros da OPEP para discutir estratégias visando melhorar o atual nível de preços deprimidos aos quais expressaram o receio de que venha a ocorrer uma “catástrofe” se os inventários de crude continuarem a crescer.

“Quando isso acontecer, poderemos estar à beira da catástrofe“, afirmou o presidente da petrolífera estatal PDVSA, Eulogio del Pino.

Os inventários mundiais cresceram, entre outros fatores, devido à falta de medidas da no seio da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que tem mantido os níveis de produção em níveis muito elevados, apesar da descida dos preços.

A OPEP, sediada em Viena, Áustria, é uma organização intergovernamental compreendendo uma dúzia de membros: Argélia, Angola, Equador, Irão, Iraque, Kuwait, Líbia, Nigéria, Qatar, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Venezuela.

OJE

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Os EUA divulgam os dados da criação de emprego em novembro. O mercado laboral norte-americano continua a surpreender pela positiva e a dar sinais de vitalidade face à forte subida de juros iniciada este ano pela Fed, embora comecem a surgir algumas dúvidas quanto à sua resistência.

Fitch: Crise energética e custo de financiamento conduzem a recessão na Europa Ocidental ainda este ano

A agência de rating estima que o crescimento real médio do PIB da região é de apenas 0,8% em 2023, significativamente abaixo dos 3,8% em 2022. “Acreditamos que a zona do euro entrará em recessão a partir do quatro trimestre de 2022”, acrescenta.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.