Arménio Carlos desafia PCP a “corrigir” posição sobre a guerra na Ucrânia

Em entrevista ao Público e à Rádio Renascença, o antigo líder sindical que também já fez parte do Comité Central do PCP, sublinha ainda a necessidade de que os resultados eleitorais do partido deveriam ser alvo de um maior escrutínio e discussão.

Cristina Bernardo

Arménio Carlos, ex-secretário-geral da CGTP, realçou esta quinta-feira que o PCP deve corrigir a sua posição sobre a guerra na Ucrânia e considera mesmo que enquanto o partido mantiver a sua postura face a este conflito, continuará a ser “queimado em lume brando”.

Em entrevista ao Público e à Rádio Renascença, o antigo líder sindical que também já fez parte do Comité Central do PCP, sublinha ainda a necessidade de que os resultados eleitorais do partido deveriam ser alvo de um maior escrutínio e discussão.

“Aquilo que eu sinto, aquilo que me dói, aquilo que me custa, é que na sociedade portuguesa, com esta situação [a posição sobre a guerra na Ucrânia], o PCP continua a ser queimado em lume brando. É isso que eu não quero, porque não é isso que está na origem das posições do partido”, realçou o antigo membro do Comité Central do PCP, em entrevista ao Público e à Rádio Renascença, divulgada esta quinta-feira. Sobre os resultados eleitorais, Arménio Carlos considera que “quando alguma coisa não corre bem, nós também temos de dizer [que] não correu bem, não era aquilo que pensávamos, corrigir. Acho que o partido devia fazer isso”.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Aprovada resolução para a nomeação de ex-adjunto de João Galamba para a ERSE

A decisão foi tomada pelo Conselho de Ministros. Foi também aprovado um plano que visa combater a exclusão social entre as crianças.

PS ‘chumba’ audições de Mariana Vieira da Silva e Pedro Nuno Santos

Os deputados do PS ‘chumbaram’ os requerimentos para audição, na Assembleia da República, da ministra da Presidência, sobre a eficácia das medidas de combate à pandemia, e do ministro das Infraestruturas, sobre a multa aplicada pelos EUA à TAP.
Comentários