Arrendamento para estudantes cresce 33%

O arrendamento habitacional destinado a estudantes aumentou 33% apenas no último ano. Só a Uniplaces tem gerado semanalmente cerca de 1 milhão de euros em arrendamentos.

De acordo com a plataforma online para alojamento de estudantes universitários, Uniplaces, o arrendamento neste segmento de mercado cresceu 33% num ano. Dados que refletem o crescimento do número de anúncios na plataforma, que conta atualmente com cerca de 45 mil quartos disponíveis, mais de nove mil só em Lisboa e no Porto.

“O arrendamento destinado a estudantes é cada vez mais uma opção por parte de proprietários de imóveis que pretendem rentabilizar ao máximo as suas habitações. Só na Uniplaces, temos estado a gerar semanalmente cerca de 1 milhão de euros em arrendamentos, com um pico interessante a decorrer no mês de agosto, quando os estudantes começaram a preparar o primeiro semestre do atual ano letivo”, salienta Miguel Santo Amaro, co-fundador da Uniplaces.

Segundo o responsáve, todos os meses, o número médio de anúncios disponíveis na plataforma da Uniplaces cresce 5%Em Lisboa, o valor médio para o arrendamento de um quarto situa-se nos 338 euros mensais, sendo que para um estúdio, o valor aumenta para cerca de 600 euros. Já no Porto, os estudantes gastam em média 300 euros no arrendamento de um quarto e 510 euros para um estúdio. As reservas duram, em média, 6 meses em Lisboa e 5 meses a norte do país.

O estudo revela ainda que a maior percentagem de arrendatários situa-se nos 21 anos (16,4%) e o propósito do arrendamento é a realização da licenciatura (36,1%) ou pós-graduação (28,1%).

Os meses de julho, agosto e setembro correspondem ao maior número de reservas, quando decorre a procura de alojamento para preparação do primeiro semestre de um novo ano letivo. Em janeiro e fevereiro a Uniplaces verifica também um aumento na procura de alojamento, devido ao início do segundo ano letivo, quando existe também uma maior mobilidade por parte dos estudantes para a realização de Erasmus, formações ou estágios.

 

Recomendadas

Presidente da CIP diz que a redução do IRC sozinha “pouco vale”

De acordo com António Saraiva, a “redução do IRC é um dos itens, um dos objetivos, mas não é o único porque, sozinha, pouco vale”, indicou, destacando que “o que vale é a redução da carga fiscal que as empresas e os cidadãos têm hoje sobre si, sobre rendimentos e a atividade económica”.

Maioria dos diretores de tecnologia nacionais querem implementar novas formas de cortar custos energéticos

Metade (54%) dos decisores inquiridos referem que as impressoras a jato de tinta os ajudarão a atingir o objetivo de redução de despesas, de acordo com os dados de um estudo da tecnológica japonesa Epson divulgado esta quinta-feira.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.
Comentários