PremiumArriva alerta para necessidade de subir salários

Multinacional alemã Deutsche Bahn demarca-se de outras operadoras de transporte público rodoviário de passageiros. Dona da TST aplaude a política de tarifas baixas aplicada pelo Governo, mas exige compensações.

A Arriva, empresa pertencente à multinacional alemã do setor dos transportes Deutsche Bahn, entende que a definição de tarifas para o setor é uma competência específica do Governo. “O Governo optou por uma política de mobilidade tendencialmente gratuita, não vou questionar se a tarifa é alta ou baixa. O Estado vai-me contratar para fazer esse serviço, e depois quero que o Estado me compense pelo meu custo industrial, para que a minha empresa seja economicamente viável e eu consiga pagar os ordenados adequados aos meus trabalhadores”, defende Pires da Fonseca, managing director da Arriva Portugal, em declarações exclusivas ao Jornal Económico.

“O processo das tarifas, do preço dos bilhetes, é um processo do Estado, não é do operador. No fundo, a nossa mensagem é de apoio a esta estratégia do Governo de fomentar uma mobilidade a preços acessíveis, que pensamos ser uma boa estratégia do Governo, mas alertando para a necessidade de fazer face ao problema de contratação de mão de obra para este setor”, alerta este responsável.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Timor Gap regista novas imparidades devido a investimento no consórcio do Greater Sunrise

O relatório anual da petrolífera, a que a Lusa teve acesso, regista um lucro operacional negativo de mais de 26 milhões de dólares (26,1 milhões de euros), explicando que “o aumento da perda líquida se deve principalmente às perdas por imparidade”.

Musk avança para a compra do Twitter e ações disparam 22%

O CEO da Tesla, Elon Musk, voltou atrás na negociação e concordou em comprar o Twitter pelo preço original acordado de 44 mil milhões de dólares. As negociações da tecnológica na bolsa norte-americana foram interrompidas aquando do anúncio e retomaram a valorizar 22%.

Amazon congela contratações para a área de retalho

A gigante do comércio eletrónica pausou todas as contratações de executivos para a sua unidade de retalho e interrompeu os processos de recrutamento em curso. Também Google, Apple e Meta já tomaram medidas semelhantes.
Comentários