Artur Santos Silva diz que BPI está empenhado em comprar o Novo Banco

Processo de venda direta do Novo Banco estava pendente desta decisão da AG do BPI. A venda direta é o caminho prioritário para vender o banco. Uma venda da totalidade do capital repartido por institucionais é para já um plano alternativo.

Octávio Passos/Jornal Económico

O Novo Banco – o banco de transição que resultou do resgate ao BES – está atualmente em processo de venda. A decisão hoje em Assembleia Geral de desblindagem dos votos no BPI ao deixar o caminho aberto para a OPA do CaixaBank ter sucesso, facilitou o processo de venda do Novo Banco.

Fontes ligadas ao processo admitem que a venda directa do Novo Banco é prioritária e que agora, com o desfecho da AG do BPI, torna-se mais perto de ser bem sucedida.

“O banco está a estudar seriamente essa operação [a venda do Novo Banco] e o aspecto que hoje foi resolvido [a desblindagem] permite ao BPI tomar posições, porque já não está bloqueado (…)”, garantiu Artur Santos Silva, presidente da instituição, na conferência de imprensa que se seguiu à Assembleia Geral de Accionistas. Já ontem, o BPI no comunicado enviado à CMVM, no preâmbulo da proposta, explica que o banco tem de dispor de todos os instrumentos possíveis para lidar com os desafios que se apresentam ao banco liderado por Fernando Ulrich. “Um dos instrumentos é o acompanhamento e envolvimento de actuais e futuros accionistas do banco, seja no que respeita ao apoio ao financiamento da sua actividade e respectiva expansão, seja no que respeita ao suporte e participação do banco em eventuais operações de concentração”.

De momento foram quatro as propostas recebidas, dos fundos Apollo/Centerbridge e Lone Star e dos bancos BCP e BPI. A venda do Novo Banco irá decidir-se entre estes. Só se isto falhar é que avança a venda a institucionais (decorrente do roadshow), estando estes a trabalhar no assunto desde Março.

Mas a venda a institucionais só é autorizada pela CMVM se o Novo  Banco deixar de ser banco de transição, o que implica  venda da maioria do capital.

Este segundo concurso irá desenrolar-se rapidamente, depois de o primeiro ter sido suspenso em Setembro de 2015, com o Banco de Portugal a considerar que nenhuma proposta era interessante.

 

Relacionadas

BPI consegue desblindar os estatutos

Assembleia Geral do BPI vota proposta para desblindagem dos estatutos.
Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários