PremiumAs fintechs vão começar a dar crédito em Portugal?

Depois dos depósitos e pagamentos, as fintech preparam-se para fazer concorrência à banca em mais uma área, a do crédito

Depois dos depósitos e pagamentos, as fintech preparam-se para fazer concorrência à banca em mais uma área, a do crédito. Várias anunciaram a intenção de entrar no crédito em Portugal. A Revolut prepara-se para lançar cartões de crédito em Portugal. Isso mesmo foi assumido por Nikolay Storonsky, CEO da Revolut, na Web Summit. Assim, a Revolut prepara-se para emitir cartões de crédito já em dezembro deste ano.

“Estamos a trabalhar nisso”, disse Nikolay Storonsky. “Em dezembro vamos operacionalizar o banco e passar a emitir cartões de crédito”, acrescentou. Depois de obter uma licença bancária europeia do BCE a Revolut prepara-se para fazer aquilo que, até agora, separava os bancos das fintech: utilizar os depósitos para conceder crédito.
Foi ainda noticiado que os CTT anunciaram que fecharam um contrato para distribuir os cartões da Revolut na Península Ibérica.

Também o banco N26, que deverá fechar o ano com 100 mil clientes em Portugal, disse que quer continuar a crescer e quando atingir os 500 mil clientes, poderá alargar os serviços prestados à concessão de crédito.
A fintech Lidya, que já tem um centro tecnológico no Porto é outra que quer dar crédito. Para além de pretender aumentar a equipa nesta cidade, quer começar a conceder crédito às pequenas e médias empresas. A Lidya quer entrar em Portugal em 2020 e é uma empresa que concede crédito em 24 horas, sem colateral, e cobra juros conforme o risco de cada cliente.
Por fim, a portuguesa empresa de pagamentos Pagaqui já noticiou que ao longo do próximo ano, vai lançar uma oferta de crédito pessoal.

O universo das fintech está cada vez mais em Portugal e segundo revela o Portugal Fintech Report 2019, são já mais de 100 empresas. O setor ficou este ano marcado pela chegada de dois grandes players internacionais: a Revolut e a Monese, que estabeleceram operação em Portugal. Os segmentos dos seguros e do crédito dominam a actividade das fintechs.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

Banco de Portugal mantém a zero a exigência aos bancos de um “reserva contracíclica de fundos próprios”

O Banco de Portugal revelou o tradicional comunicado sobre a reserva contracíclica de fundos próprios, desta vez relativa ao 4.º trimestre de 2022. O supervisor vai manter a dispensa de constituição de reserva contracíclica para a banca no quatro trimestre deste ano, à semelhança do que sucedeu nos anteriores.

Merlin Properties compra sede do Novobanco na Avenida da Liberdade por 112 milhões

A informação do comprador foi confirmada pela entidade bancária esta sexta-feira em comunicado, depois de já ter avançado com o valor do negócio nas últimas semanas.
Comentários