ASF: Seguros e fundos de pensões vão ter papel importante no contexto atual

As declarações foram feitas durante a cerimónia de apresentação dos novos membros da ASF, nomeadamente Adelaide Marques Cavaleiro e Diogo Alarcão, mas também da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), realizada esta segunda-feira.

Margarida Corrêa de Aguiar, presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), garante que os sectores segurador e de fundos de pensões vão desempenhar um papel importante naquele que é um contexto desafiante de inflação elevada e subida das taxas de juro.

As declarações foram feitas durante a cerimónia de apresentação dos novos membros da ASF, nomeadamente Adelaide Marques Cavaleiro e Diogo Alarcão, mas também da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), realizada esta segunda-feira.

“Portugal conta com um sector segurador e um sector dos fundos de pensões maduros, experientes e com provas dadas, que têm contribuído de forma significativa para responder às necessidades do País, potenciando níveis de confiança dos agentes económicos no desempenho das suas funções, facilitando as atividades económicas e o investimento e oferecendo proteção às famílias”, afirmou a presidente da ASF.

A responsável notou que isso “foi observado durante a crise pandémica pela resiliência demonstrada por ambos os sectores, ao manterem uma adequada prestação de serviços aos consumidores, algumas vezes para além do que se encontrava contratualmente fixado, perante uma crise que exigiu respostas muito rápidas às condições impostas pela severidade do choque sanitário e dos seus efeitos económicos e sociais”.

Nesse sentido, a “cultura de gestão baseada nos riscos constituiu um fator decisivo para a resposta positiva de ambos os sectores à crise, assim como a intervenção atempada, cirúrgica, coordenada e proporcional da ASF para manter a proteção dos consumidores, a gestão sã e prudente dos operadores e a estabilidade financeira”.

“Este desempenho permite encarar com confiança o papel dos seguros e dos fundos de pensões na resposta aos desafios com que estamos confrontados, quer os de curto prazo, quer os de longo prazo, num contexto de inflação elevada e de incerteza causada pela invasão da Ucrânia pela Rússia”, realçou Margarida Corrêa de Aguiar, garantindo que “previsibilidade e rapidez de atuação, antecipação de ameaças e oportunidades são princípios que irão manter-se na liderança do conselho de administração”.

Recomendadas

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.

Taxa média dos novos depósitos atinge 0,35%, a mais baixa da zona euro

Enquanto a remuneração dos depósitos continua baixa, a taxa de juro dos novos empréstimos para a compra de casa fixou-se em 3,24% em 2022, um máximo desde julho de 2014.

CEO do Santander Totta revela que são “poucos milhares” com crédito à habitação em risco de incumprimento

No entanto, Pedro Castro e Almeida deixou um alerta: “Se os juros subirem para 4%, vamos ter muito mais reestruturações”. Nesse cenário, este responsável acredita que a economia vai “arrefecer”, adiantando ainda que esse arrefecimento pode ser benéfico para Portugal.
Comentários