Asseco PST e LOQR estabelecem parceria para reforçar ligação à lusofonia

Com esta parceria as empresas pretendem auxiliar as instituições financeiras no seu processo de aceleração digital.

A Asseco PST, que desenvolve software bancário, e a LOQR, tecnológica que desenvolve soluções digitais para instituições financeiras, estabeleceram uma parceria que tem por objetivo atingir uma abordagem mais abrangente aos atuais e futuros clientes bancários em várias geografias do universo da lusofonia, incluindo o mercado português.

“Acredito verdadeiramente que esta parceria com a Asseco PST será de grande valor para as empresas e para os nossos clientes. Juntamente com as soluções tecnológicas avançadas da Asseco PST para o sector bancário, as iniciativas digitais da LOQR serão capazes de alcançar novos mercados e clientes no quadro da nossa estratégia para capacitar as instituições financeiras no seu processo de aceleração digital”, disse o CEO da LOQR, Ricardo Costa.

“A transformação digital é um pilar essencial para os bancos e demais instituições financeiras assegurarem uma estratégia vencedora na fixação de clientes e captação das novas gerações, através da disponibilização de soluções de última geração. A parceria com a LOQR dá-nos velocidade, maior capacidade de adaptação e constitui o forjar de uma aliança certa para responder aos desafios num mundo cada vez mais competitivo e digital”, referiu o CEO da Asseco PST, Daniel Araújo.

A LOQR e a Asseco PST pretendem assim apoiar os bancos e outras instituições financeiras através de soluções online mais rápidas, compatíveis e isentas de risco.

Com esta parceria, vai ser possível oferecer às instituições financeiras a capacidade de “realizarem múltiplas operações, incluindo aberturas de conta online, atualizações de dados de clientes e recuperações de acesso remoto”,  e também uma oferta de uma “gama mais vasta de inovações digitais para os bancos se conectarem com os seus utilizadores finais”.

A parceria vai incluir mercados como Angola, Moçambique e Cabo Verde, e permitir às instituições financeiras, e aos bancos “otimizar as suas operações e aumentar a sua eficiência através de soluções mais flexíveis e adequadas às necessidades de novos clientes”, e com isto “reduzir custos e aumentar o volume de negócios enquanto a experiência dos utilizadores é aprimorada”.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários