Assédio sexual na ONU obriga Guterres a criar grupo de trabalho

Guterres tem adotado uma política de tolerância zero para esse tipo de comportamento e quer garantir “máxima atenção e reforçar ações sobre o assunto dentro do sistema ONU”

Denis Balibouse/Reuters

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, decidiu criar um grupo de trabalho para tratar de casos de assédio sexual dentro da organização. Segundo o porta-voz, a recente “onda de relatos de assédio sexual no ambiente de trabalho de várias instituições mostra o quão subtil é essa forma de violência e de discriminação”. A informação é da ONU News.

A task force que acaba de ser criada será liderada pela subsecretária-geral de Gestão da ONU, Jan Beagle. O grupo de trabalho tem como missão apresentar ao secretário-geral um relatório sobre o assunto na primavera de 2018 e irá rever políticas sobre tratamento e prevenção de casos e verificar a capacidade da organização de investigar as alegações, além de verificar que tipo de apoio e de proteção é dado às vítimas.

Guterres tem adotado uma política de tolerância zero para esse tipo de comportamento e quer garantir “máxima atenção e reforçar ações sobre o assunto dentro do sistema ONU”. Em novembro, o secretário-geral já tinha declarado que tratar os casos de assédio sexual é uma preocupação crescente da comunidade internacional.

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários