PremiumAssembleia geral da ONU inicia sessão com guerra afastada da agenda

A ONU quer mostrar que há mais temas importantes que têm de ser abordados além da guerra na Ucrânia e está a deixar isso claro na 77ª sessão da Assembleia Geral da ONU, que já começou, em Nova Iorque. Mesmo que a guerra esteja sempre presente.

A 77ª sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) já se iniciou, agora presidida pelo húngaro Csaba Korosi – que substitui, conforme os regulamentos, Abdulla Shahid, das Maldivas –, mas centrada na educação e na sustentabilidade, deixando para segundo plano a guerra provocada pela invasão russa da Ucrânia, sinalizando que há mais a acontecer no mundo, mesmo com todas as repercussões que este conflito tem.

Claro que a guerra estará presente nos trabalhos – principalmente quando, na próxima semana (terça-feira, 20 de setembro), chegar a vez das inúmeras intervenções dos chefes de Estado –, e é sentida como pano de fundo, por exemplo, no diferendo que tem oposto russos e EUA, que recusaram a atribuição de todos os vistos requeridos pela delegação de Moscovo para viajar até Nova Iorque, onde se encontra a sede da ONU, e só esta semana concordaram com a emissão de um visto para o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMemórias pessoais e transmissíveis

Mas os diários da minha tia Gália eram de um tipo muito específico: à medida que os lia, a sua textura peculiar — que se assemelhava sobretudo a uma rede de pesca de malha grande — tornava‑se cada vez mais enigmática e interessante.

PremiumGeorge Clooney e o Speedmaster ’57

Coincidindo com o 65º aniversário da linha Speedmaster, a coleção completa Omega Speedmaster ’57 inclui agora oito novos modelos.

PremiumBiografia de Lula Inácio da Silva

Para lá das emoções que provoca, positivas ou negativas, Lula da Silva está entre as maiores figuras políticas da história do Brasil. Oriundo da classe operária, opositor ativo e convicto de uma ditadura militar que sufocou a sociedade e a economia brasileiras entre 1964 e 1985, a sua história e as suas lutas confundem-se com as de um povo que, por duas vezes, o elegeu presidente da nação.
Comentários