Assembleia Municipal do Porto aprova orçamento para 2023 (com áudio)

O orçamento da Câmara do Porto para 2023, que contempla um aumento de 20,9% face a 2022, o equivalente a 66,8 milhões de euros, foi aprovado com os votos favoráveis dos eleitos do movimento independente “Aqui Há Porto”, do PSD e do Chega.

A Assembleia Municipal do Porto aprovou, com a abstenção do PS e PAN, e o voto contra da CDU e do BE, o orçamento municipal para 2023 de 385,8 milhões de euros.

O orçamento da Câmara do Porto para 2023, que contempla um aumento de 20,9% face a 2022, o equivalente a 66,8 milhões de euros, foi aprovado com os votos favoráveis dos eleitos do movimento independente “Aqui Há Porto”, do PSD e do Chega.

Na sessão ordinária, Raul Almeida, do movimento independente “Aqui Há Porto”, salientou que este orçamento, o “maior de sempre” no município do Porto, é “feito de coesão social e desenvolvimento económico, não esquece o ambiente e não descura a cultura e o património”.

“Na prática, este orçamento centra-se nas pessoas, em deixar mais dinheiro disponível nas famílias, mantendo as contas certas”, observou, destacando medidas como o congelamento das rendas nos bairros sociais, transportes gratuitos para crianças e jovens, redução em 20% do IRS e manutenção da taxa do IMI.

Também Nuno Borges (PSD) destacou algumas das medidas do partido plasmadas no orçamento para o próximo ano fruto do acordo de estabelecido com o movimento independente e que “irão beneficiar os portuenses no seu dia-a-dia”, como a “devolução de parte dos impostos”, a “aposta na expansão da rede de creches”, a “criação de vias partilhadas” e o “reforço de verbas do programa Rua Direita”.

Na intervenção, o social-democrata criticou ainda o processo de descentralização de competências do Estado para os municípios, defendendo que esta é “uma verdadeira desorçamentação do Estado”, ao “obrigar a população do Porto a pagar duas vezes o mesmo serviço”.

Já Agostinho de Sousa Pinto (PS) afirmou que este não seria o orçamento apresentado pelos socialistas, mas que o partido “acompanha e valoriza algumas das medidas” incorporadas, como o aumento do investimento na habitação, o plano especial de pagamento de dívidas às Águas e Energia do Porto, o congelamento das rendas e o reforço junto da população em condição de sem-abrigo.

“Mesmo que as nossas opções pudessem ser diferentes, congratulamo-nos pela opção tomada, porque estas medidas sempre foram importantes para nós porque são importantes para os portuenses”, referiu o socialista, destacando a abertura do executivo em incluir medidas do PS aquando da revisão orçamental e incorporação do saldo de gerência.

Por sua vez, o deputado único do PAN elencou um conjunto de preocupações resultantes da apreciação do documento, nomeadamente, em matérias relacionadas com a proteção e bem-estar animal.

Ao considerar que no orçamento municipal para 2023 “ficam por concretizar várias medidas e propostas”, Paulo Vieira de Castro alertou para a necessidade de existirem bebedouros para animais e pessoas espalhados pela cidade, bem como zonas de circulação reduzida e mais incentivos à utilização do transporte público.

Rui Sá (CDU) disse discordar de um “conjunto de opções ideológicas”, como a inscrição de “apenas” 2,5 milhões de euros no programa Porto Solidário “numa altura de crise”, de 77% do investimento ser conduzido pelas empresas municipais e da venda de terrenos municipais.

“Com esta câmara, sabemos sempre que as datas anunciadas são datas para não serem cumpridas e isso depois é plasmado no orçamento, com listas de obras que não vão ao encontro da propaganda que é feita dessas obras”, referiu, apesar de reconhecer que a pandemia da covid-19 motivou alguns dos atrasos, mas defendendo que a mesma “tem as costas largas”.

Também Susana Constante Pereira (BE) considerou que o orçamento municipal para 2023 está “dissociado da realidade, da crise inflacionária com valores nunca vistos e com a pobreza a atingir números que devem preocupar”.

Ao defender que as medidas incorporadas no orçamento “não fazem face a uma emergência”, a deputada municipal do BE criticou algumas das opções do executivo liderado por Rui Moreira, como a redução do IRS, que “não vai beneficiar as famílias com mais vulnerabilidades”, e a intenção de alienar imóveis destinados a alojamento estudantil.

Em resposta aos deputados, o vice-presidente da Câmara do Porto, que na sessão substituiu o autarca independente, destacou que este é “o maior orçamento de sempre” e “reúne um consenso alargado pelas três maiores forças políticas da cidade”.

“Este é um orçamento particularmente atento ao investimento, um orçamento que tem um motivo especial que é a mitigação dos impactos da crise com o alívio fiscal das famílias, mas também o apoio às populações e famílias mais vulneráveis”, observou Filipe Araújo.

Na sessão foram ainda votadas sete recomendações, cinco das quais aprovadas, e apresentados três votos de pesar pelo falecimento de Fernando Gomes, Francisco Laranjo e Ana Maria Pereira.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dois terços dos municípios aplicam derrama de IRC sendo 127 com taxa máxima

Dois terços dos municípios portugueses vão cobrar derrama de IRC às empresas instaladas nos seus concelhos, havendo 127 que aplicarão o valor máximo de 1,5%, segundo a tabela de taxas agora divulgada pelo fisco.

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.
Comentários