Assembleia Nacional francesa suspende sessão após comentários racistas

A frase “que regressem a África” ou “regresse a África”, considerada racista, proferida hoje por um deputado de extrema-direita na Assembleia Nacional francesa, enquanto um deputado negro questionava o governo sobre “imigração ilegal”, fez suspender a sessão.

Gonzalo Fuentes/Reuters

O deputado da França Insubmissa, (LFI, esquerda radical), Carlos Martens Bilongo, de origem congolesa, evocou no hemiciclo o “drama da imigração ilegal”, quando o deputado da União Nacional (RN, extrema-direita), Grégoire de Fournas, lançou a frase.

Depois de alguns minutos de confusão, o presidente da Assembleia terminou a sessão, estando ainda agendadas várias intervenções, “dada a gravidade dos factos” e a “emoção legítima” da Assembleia. Tais interrupções são extremamente raras.

O grupo RN alega que o deputado estava a falar de um “barco” de migrantes mencionado na pergunta, e “em caso algum” de Martens Bilongo.

“Estamos perante uma manipulação que procura distorcer as minhas observações para me atribuir comentários repugnantes em relação a um colega francês deputado da Nação que tem a mesma legitimidade que eu nestas bancadas”, defendeu-se Grégoire de Fournas perante a imprensa.

Carlos Martens Bilongo disse estar “muito triste”.

“O racismo não tem lugar na nossa democracia”, reagiu a primeira-ministra, Elisabeth Borne, indicando que “naturalmente”, a Assembleia Nacional “terá de adotar sanções”.

O órgão mais alto da Assembleia reunir-se-á na sexta-feira para decidir sobre o seguimento.

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários