Associação de jovens empresários quer mais habitação acessível no Algarve

Este foi um dos temas debatidos pela associação numa reunião que contou com o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, empresários e o diretor do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), Custódio Moreno.

A Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) quer ver o Algarve com mais habitação acessível, de modo a conseguir fixar os jovens naquela região.

Este foi um dos temas que esteve em debate numa reunião promovida pela ANJE e que contou com o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, empresários e o diretor do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), Custódio Moreno.

O processo burocrático é apontado como o maior problema, dado que atrasa o investimento em vários negócios, bem como a falta de recursos qualificados em várias áreas.

Entre os empresários presentes estiveram Luís Caracinha, fundador e diretor da Epopeia Records, e Rita Andrade, project manager na Rockbuilding, que mostraram a sua preocupação sobre a necessidade de conseguir atrair o talento para a região e conseguir retê-lo.

De resto, a ANJE tem como um dos grandes objetivos impulsionar novas empresas no Algarve, com melhores as condições, nomeadamente através da requalificação dos espaços de acolhimento empresarial, visando a aceleração e sistematização do processo de criação de empresas.

Hugo Vieira, vice-presidente da ANJE, refere que “este é mais um passo muito importante para consolidar e estreitar as relações de cooperação e intercâmbio existentes com vista à prossecução de objetivos conjuntos e à promoção da formação e do desenvolvimento tecnológico no ecossistema empresarial algarvio”.

Recomendadas

Americanos são os estrangeiros que mais procuram por casa em Lisboa. Brasileiros lideram no Porto

Já a procura internacional por casas para arrendar é liderada por cidadãos brasileiros nas duas principais cidades. Funchal e Ponta Delgada são as cidades onde os estrangeiros pesam mais na procura de casas para comprar.

Edifício alugado ao BNP Paribas comprado pelo Fundo do Crédito Agrícola (com áudio)

O empreendimento de escritórios com perto de 8.200 m2 de área bruta construtiva distribuída por nove pisos e 55 lugares de estacionamento estava alugado ao BNP Paribas desde 2015. Negócio foi intermediado pela consultora Cushman & Wakefield.

“Vamos faturar seis a oito milhões de euros em 2023”. Imobiliária de luxo norte-americana define objetivo para Portugal

A ‘The Agency Portugal’ pretende ter mil imóveis em carteira em 2023, tendo como objetivo vender 200 habitações para faturar no final do ano entre seis a oito milhões de euros. “Portugal é um dos países com o mercado imobiliário mais dinâmico e um dos mais apetecíveis, quer para morar, quer para investir”, revelou o sócio-gerente em entrevista ao JE.
Comentários