PremiumAssociação defende mais fiscalização no trabalho temporário

AAPESPERH, que representa as empresas de trabalho temporário, alerta que as alterações propostas pelo Governo não resolvem a “informalidade” do sector, gerando apenas mais dificuldades para o tecido produtivo.

Um efeito notório da pandemia foi a aceleração de várias tendências que se verificavam já antes da chegada da Covid-19, como o recurso ao trabalho temporário em vários sectores. Desde as plataformas eletrónicas à saúde, a chamada ‘gig economy’ expandiu-se de tal forma que o Governo quer agora avançar com novas regras para este regime, mas a associação que representa as empresas de trabalho temporário alerta que estas apenas gerarão mais dificuldades para o tecido produtivo, sem responderem aos problemas que caracterizam estas relações laborais.

A legislação laboral tem sido algo que o atual Governo tem dado vários sinais de querer atualizar, face à nova realidade do trabalho numa economia mais digitalizada e depois da adaptação à realidade pandémica. Um dos tópicos a abordar nestas alterações prende-se com o trabalho temporário, algo sinalizado pela ministra Ana Mendes Godinho já este mês.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

PremiumOs oito riscos e incertezas que marcam o próximo Orçamento

Nas vésperas da apresentação do OE2023, antecipa-se um documento marcado pelo ambiente de incerteza, pressões inflacionistas e o risco de recessão.

Perspetivas de aumento das exportações das empresas este ano revistas em alta para 15,6%

As empresas perspetivam aumentar em 15,6% as exportações de bens este ano face a 2021, segundo um inquérito divulgado hoje pelo INE, que revê em alta de 9,1 pontos percentuais a primeira previsão efetuada em novembro passado.
Comentários