Associação Mutualista escolhe Nuno Mota Pinto para CEO do Montepio

A entrada de Nuno Mota Pinto far-se-á na sequência da mudança de modelo de governo da Caixa Económica Montepio Geral, para um modelo monista, com um ‘chairman’ e um CEO, apurou o Jornal Económico. Nesse modelo, a Comissão Executiva emana do conselho de administração.

Cristina Bernardo

A Associação Mutualista já tem um nome para presidente executivo da Caixa Económica Montepio Geral. Trata-se Nuno Mota Pinto, que é representante do diretor executivo e membro do board do Banco Mundial.

Fonte ligada ao processo avançou ao Jornal Económico que Nuno Mota Pinto aceitou o convite da instituição liderada por António Tomás Correia, para integrar a administração do banco detido a 100% pela Associação.

A entrada de Nuno Mota Pinto far-se-á na sequência da mudança de modelo de governo da Caixa Económica Montepio Geral, para um modelo monista, com um chairman e um CEO. Nesse modelo a Comissão Executiva emana do Conselho de Administração.

Nuno Mota Pinto tem 47 anos. O facto de ser do Banco Mundial pode explicar a escolha, dado que Tomás Correia quer que o Montepio seja um banco da economia social. As suas áreas de especialidade no Banco Mundial são os mecanismos financeiros para o desenvolvimento económico, a globalização, a redução da pobreza, as abordagens económicas e os movimentos cívicos e políticos em crises financeiras.

No Banco Mundial, Nuno Mota Pinto é o representante de Itália, Portugal, Grécia, Albânia, Malta, São Marino e Timor Leste, desde 2003. É irmão do antigo vice-presidente do PSD, Paulo Mota Pinto.

A mudança na administração do banco foi anunciada publicamente por Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista, no almoço de natal da Associação, no passado sábado. Esta mudança terá lugar a par da mudança do modelo de governo e da entrada da Santa Casa como acionista. A instituição vai investir 200 milhões de euros no Montepio, para ficar com uma posição ligeiramente abaixo dos 10%.

Tomás Correia anunciou que a entrada da Santa Casa terá lugar até ao Natal, mas o provedor Edmundo Martinho já veio dizer que seria difícil concluir a operação dentro desse prazo, projectando que haverá um desfecho durante o primeiro trimestre de 2018.

José Félix Morgado substituído após braço-de-ferro com Tomás Correia

A mudança de CEO do Montepio, intenção da Associação até agora não assumida oficialmente, foi avançada em primeira-mão pelo Jornal Económico. Félix Morgado estava presente no almoço de natal onde Tomás Correia manifestou a sua intenção de mudar os órgãos sociais. José Félix Morgado já comunicou ao acionista que não concorda e que não aceita mudanças na administração.

Em resposta a esta declaração de Tomás Correia, José Félix Morgado, actual presidente executivo da Caixa Económica, que está a um ano de concluir o seu mandato, escreveu uma carta aos seus colaboradores do banco.

“Durante o fim de semana, e a propósito de várias noticias sobre rearranjos na estrutura acionista da CEMG [Caixa Económica Montepio Geral], foram feitas diversas referências a alterações de modelo de governo e dos órgãos sociais, incluindo a da minha saída da função que exerço, nas próximas semanas ou no início do ano”, lê-se na carta de José Félix Morgado, a que o Jornal Económico teve acesso.

“Impõe-se clarificar que não apresentei a minha demissão e que continuo, hoje, como continuarei até ao último dia em que estiver em funções, a trabalhar com todos e cada um de vós, com o mesmo empenho, a mesma responsabilidade, paixão e determinação que permitiram a recuperação da CEMG”, esclarece José Félix Morgado. O que significa que a sua saída antes do fim do mandato, bem como de todos os administradores eleitos, implica o pagamento dos ordenados até ao fim do mandato. Segundo o “Negócios”, a Associação Mutualista tem de pagar 400 mil euros a José Félix Morgado.

 

Relacionadas

Associação Mutualista confirma Nuno Mota Pinto no Montepio

Nuno Mota Pinto foi convidado e já aceitou presidir à Comissão Executiva da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), afirma a entidade liderada por Tomás Correia, confirmando a notícia avançada em primeira-mão pelo Jornal Económico.

Montepio: Rui Moreira diz que Santa Casa usa o dinheiro das apostas para “fazer uma aposta”

O presidente da Câmara do Porto critica o investimento de 200 milhões da Santa Casa de Lisboa Associação Mutualista por 10% do Montepio. Compara-o a uma aposta num casino de Las Vegas e diz que a “probabilidade de correr bem não deve ser muito diferente”.

Félix Morgado: “Impõe-se clarificar que não apresentei a minha demissão”

Numa carta a que o Jornal Económico teve acesso, o presidente da Caixa Económica Montepio Geral garante que continua a trabalhar “com o mesmo empenho, a mesma responsabilidade, paixão e determinação que permitiram a recuperação da CEMG”.

Edmundo Martinho sobre entrada no Montepio: “Esta não é uma operação financeira de comprar hoje para vender amanhã”

O Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa disse ainda à TSF que vai escrever esta semana aos presidentes das grandes empresas portuguesas pedindo-lhes para aderirem ao novo Fundo Recomeçar. Um Fundo que aglutina receitas dos jogos na semana do Natal e que se destina a apoiar as vítimas dos fogos.

José Félix Morgado sai do Montepio

O presidente da Caixa Económica está de saída da liderança da instituição.

Elisa Ferreira sobre o Montepio: “Mantemos o diálogo permanente com o banco”

Elisa Ferreira, à margem do Fórum Banca aceitou falar sobre o Montepio e como está a evoluir a entrada de um novo acionista e a evolução do modelo de governo.
Recomendadas

Euribor volta a subir para novo máximo a seis meses e cai a três e a 12 meses

As taxas Euribor desceram hoje, pela primeira vez desde 09 de setembro, a três e a 12 meses, e voltaram a subir a seis meses, para um novo máximo desde janeiro de 2009.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.

Tribunal de Contas não afasta cenário de novas injeções de capital no Novobanco

O juiz conselheiro relator do relatório da auditoria do Tribunal de Contas à gestão do Novobanco, José Quelhas, referiu hoje que não está afastado o cenário de novas injeções de dinheiro público no ex-BES.
Comentários