Associação quer saber quanto custou app anti-Covid e o que a Apple e Google fazem com dados

A aplicação já foi descarregada mais de 50 mil vezes e vai ser apresentada oficialmente hoje. Mas a associação D3 quer saber quais os custos de desenvolvimento e qual o fim que as gigantes tecnológicas vão dar aos dados dos utilizadores.

A Associação D3 – Defesa dos Direitos Digitais quer saber o que a Apple e a Google andam a fazer com os dados da aplicação anti-Covid portuguesa e quais os custos de desenvolvimento da aplicação, e se envolveu dinheiro público.

Esta é uma de várias dúvidas que esta associação tem, no dia em que vai ser lançada oficialmente a aplicação Stayaway Covid.

“Porque não está disponível o código que mostra o que Apple e Google fazem com os dados? Quais têm sido os esforços do Governo para assegurar transparência total por parte destas entidades?”, questionou a D3 em comunicado divulgado esta terça-feira, 1 de setembro.

Ao mesmo tempo, a associação quer saber qual o custo para criar esta aplicação. “Quanto custou o desenvolvimento da app? Há ou não financiamento público no seu desenvolvimento? Onde está o código-fonte do servidor da Stayaway?”.

A aplicação vai ser apresentada oficial esta terça-feira no Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), num evento que vai contar com presença do primeiro-ministro, António Costa, do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, e da ministra da Saúde, Marta Temido.

“A gravidade da pandemia impõe que não andemos a brincar às apps. Os recursos existentes devem ser colocados à disposição dos métodos que sabemos funcionar, e não para financiar aventuras tecno-fantasiosas de uma app que virá salvar a situação”, disse em comunicado Ricardo Lafuente da D3.

“Em que se baseia o Governo para afirmar que a Stayaway é uma “ferramenta eficaz”, quando não há dados concretos que demonstrem a eficácia destas apps?”, questiona novamente a D3 uma associação portuguesa sem fins lucrativos, dedicada à “defesa dos direitos fundamentais no contexto digital”, segundo a própria.

A D3 também tem dúvidas sobre o impacto no dia-a-dia das pessoas que receberem um alerta por terem tido um contacto de risco. “Se uma pessoa for notificada, com a app a recomendar o seu isolamento, existe justificação de falta ao trabalho, a um exame, a aulas, a reuniões?”

Por último, a D3 questiona o que “acontece se se concluir que a app não serviu para nada, como as experiências lá fora estão a evidenciar?”.

“Em alturas como esta, temos de aceitar que não virão soluções milagrosas providenciadas pela tecnologia, e devemos antes confiar na eficácia comprovada das medidas já levadas a cabo pela DGS. Podemos e devemos todos fazer a nossa parte, mas não é preciso instalar uma app para isso, apenas seguir as orientações dos organismos de saúde pública”, segundo Ricardo Lafuente.

Num balanço feito pelo Jornal Económico nas primeiras 48 horas em que a aplicação foi disponibilizada, mais de 50 mil pessoas transferiram gratuitamente a Stayaway Covid na loja da Google.  A aplicação é atualmente a mais popular na loja portuguesa de aplicações Google Play.

A app anti-Covid também está em destaque na Apple Store. Na loja portuguesa da Apple a aplicação é a primeira entre as aplicações de medicina e também lidera o ranking de transferências das apps grátis.

 

Mais de 50 mil pessoas já descarregaram a app anti-Covid em 48 horas

Relacionadas

Mais de 50 mil pessoas já descarregaram a app anti-Covid em 48 horas

A aplicação nacional de rastreio aos contactos Covid-19 já lidera as transferências nas lojas portuguesas da Google e da Apple.

Governo aprova versão final da legislação para a app anti-Covid

Atualmente, ainda decorre o projeto piloto que deverá demorar mais uma semana. Governo disse anteriormente que a aplicação Stayaway Covid deverá ser lançada em agosto.

Governo dá luz verde a app anti-Covid que vai estar disponível em agosto

O projeto piloto para testar a aplicação arrancou esta quinta-feira e vai durar duas semanas. O Governo aponta que a app, de uso voluntário, deverá estar disponível para usar em agosto.
Recomendadas

Galp dispara mais de 2,5% depois de Andy Brown anunciar saída

O gestor britânico vai sair menos de dois anos depois de ter chegado à empresa para substituir Carlos Gomes da Silva que saiu antes do final do mandato.

Califórnia recebe eventos para americanos interessados em viver em Portugal

“O alvo é quem está interessado em mudar-se para Portugal para viver”, disse à Lusa Bruce Hawker, CEO da Open Media. “Desde uma pessoa que está prestes a reformar-se ao nómada digital que quer ir trabalhar remotamente, a alguém que esteja interessado em criar uma startup em Portugal ou famílias com crianças”, indicou o responsável. 

Andy Brown deixa presidência executiva da Galp no final do ano

Andy Brown destacou, citado na nota, que aceitou “com grande honra o convite para completar o mandato 2019-2022 com o objetivo de preparar a companhia para um futuro de sucesso em tempos de grandes desafios para o sector”.
Comentários