Ataques a central nuclear de Zaporíjia foram “deliberados”, diz AIEA (com áudio)

O chefe da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, afirmou que os ataques à central nuclear ucraniana em Zaporíjia foram “absolutamente deliberados”, classificando a situação como “extremamente grave”.

O chefe da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, considerou hoje que os ataques à central nuclear ucraniana em Zaporíjia foram “absolutamente deliberados, direcionados” e classificou a situação como “extremamente grave”.

“Uma boa dúzia de ataques” atingiu a central, segundo Grossi, que, sem atribuir responsabilidade às forças russas ou ucranianas, ficou indignado por haver quem considere uma central nuclear “um alvo militar legítimo”, afirmou numa entrevista ao canal de televisão francês BFMTV.

“Seja quem for, pare com essa loucura”, exortou Rafael Grossi, que insistiu: “Quem faz isto sabe perfeitamente o que pretende atingir. É absolutamente deliberado e direcionado”.

A Rússia e a Ucrânia trocaram acusações sobre a autoria dos ataques.

“A central está na linha de frente, há atividades militares que são muito difíceis de identificar, há pessoal russo e ucraniano em operação”, disse Grossi.

A AIEA, que tem dois inspetores na central, vai efetuar uma avaliação dos danos provocados pelos ataques.

“Houve danos em zonas bastante sensíveis”, acrescentou Grossi, especificando que os reatores não foram afetados, mas sim a zona onde se encontram os combustíveis frescos e usados”.

Grossi disse esperar poder apresentar segunda-feira de manhã o balanço, e acrescentou que os inspetores não puderam sair hoje porque a situação é muito instável.

A Rússia, que invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, ocupa militarmente o território da central e o Presidente russo, Vladimir Putin, reivindicou a sua anexação, bem como a de quatro regiões ucranianas.

Ao longo dos últimos meses, Moscovo e Kiev têm trocado acusações sobre ataquea em Zaporíjia.

Recomendadas

Ucrânia. Fundadora de ONG Nobel da Paz 2022 quer Putin em tribunal por crimes de guerra

A representante de uma das organizações que receberam este ano o Prémio Nobel da Paz defendeu hoje que o Presidente russo, Vladimir Putin, enfrente um tribunal internacional como criminoso de guerra pelo “genocídio” na Ucrânia.

Navalny classifica de “vergonhosa” pena de oito anos de cadeia a opositor russo

A condenação hoje do opositor russo Ilya Yashin a oito anos e meio de prisão por criticar a ofensiva militar contra a Ucrânia é “um veredicto vergonhoso”, denunciou o também opositor Alexei Navalny.

Marcelo lembra que há vários focos de guerra e critica UE por ter estado em “autocontemplação”

O Presidente da República considerou hoje que a União Europeia esteve em “autocontemplação” e “continua a não saber encontrar maneira de se relacionar com África”, relembrando que, além da Ucrânia, há outros focos no mundo que ameaçam a paz.
Comentários