Até a Coca-Cola vai apertar o cinto

O lucro da Coca-Cola caiu 13,6% no terceiro trimestre do ano para 2.114 milhões de dólares (cerca de 1.655 milhões de euros), face a igual período do ano anterior, informou o fabricante mundial de bebidas. O resultado líquido, entre julho e setembro, foi de 2.447 milhões de dólares (1.939 milhões de euros), refere a multinacional […]

O lucro da Coca-Cola caiu 13,6% no terceiro trimestre do ano para 2.114 milhões de dólares (cerca de 1.655 milhões de euros), face a igual período do ano anterior, informou o fabricante mundial de bebidas.

O resultado líquido, entre julho e setembro, foi de 2.447 milhões de dólares (1.939 milhões de euros), refere a multinacional em comunicado.

As vendas atingiram, entre julho e setembro, os 11.976 milhões de dólares (9.376 milhões de euros), menos 0,4% que os 12.030 milhões de dólares (9.418 milhões de euros) face há um ano atrás.

Nos primeiros nove meses deste ano, a multinacional alcançou um lucro de 6.328 milhões de dólares (4.954 milhões de euros), menos 7,9%, enquanto a faturação caiu 1,9% para 35.126 milhões de dólares (27.503 milhões de euros).

A multinacional, por outro lado, anunciou que vai tomar medidas para fortalecer o seu desempenho financeiro a longo prazo e cortar as despesas em 3 mil milhões de dólares (2.349 milhões de euros), por ano, até 2019.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Governo acompanha caso de portuguesa encontrada morta em França

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português anunciou hoje que os consulados gerais de Estrasburgo e do Luxemburgo estão a acompanhar “com especial atenção” o caso de uma portuguesa encontrada morta em França.

Japão, EUA e NATO condenam disparo de míssil norte-coreano

Estados Unidos, Japão e NATO condenaram hoje o disparo pela Coreia do Norte de um míssil balístico sobre o Japão, comprometendo-se a coordenar uma resposta multilateral à provocação do regime do presidente Kim Jong-un.

Filhos de José Eduardo dos Santos não vão contestar arquivamento do processo

Os filhos do ex-Presidente de Angola não vão contestar o arquivamento, pela justiça espanhola, da investigação sobre a morte do pai, disseram hoje à Lusa os advogados que os representam.