Atenuar tensão? Charles Michel em contacto com líderes arménio e azeri

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, está “em contacto” com os líderes da Arménia e do Azerbaijão para tentar reduzir a tensão entre Baku e Erevan devido à disputa territorial do enclave do Nagorno-Karabakh, que agravou-se na quarta-feira.

De acordo com fontes comunitárias citadas pela agência noticiosa EFE, Charles Michel, que se tem envolvido no processo de normalização das relações entre a Arménia e o Azerbaijão, “mantém um estreito contacto com os líderes dos dois países”.

As mesmas fontes precisaram que o político belga já falou com o primeiro-ministro arménio, Nikol Pashinian, e tem também prevista uma conversa com o Presidente azeri, Ilham Aliev.

Fontes comunitárias assinalaram que a equipa de Charles Michel e o representante especial da União Europeia (UE) para o Cáucaso do Sul, Toivo Klaar, “mantiveram intensos contactos com ambas as partes nos últimos dias para impulsionar uma imediata desescalada e avançar através do diálogo em todos os pontos da agenda que estão sobre a mesa”.

Na quarta-feira, o Serviço Europeu de Ação Externa (SEAE) já tinha solicitado, num comunicado, o “fim imediato das hostilidades” entre as forças militares arménias e azeris.

“É fundamental reduzir a tensão, respeitar ao máximo o cessar-fogo e regressar à mesa das negociações para procurar soluções negociadas”, apontou o serviço diplomático da UE, liderado pelo chefe da diplomacia de Bruxelas, Josep Borrell.

A autoproclamada república do Nagorno-Karabakh, um território disputado entre a Arménia e o Azerbaijão, declarou na quarta-feira a mobilização parcial após acusar Baku de um ataque que provocou pelo menos três mortos e 20 feridos.

Já esta quinta-feira, referiu-se a uma “calma relativa” na região.

A diplomacia comunitária acrescentou que “segue empenhada em ajudar a superar as tensões e prosseguir o seu compromisso em direção à paz e estabilidade sustentáveis no sul do Cáucaso”.

As autoridades do território, habitado historicamente por arménios mas reconhecido internacionalmente como parte do Azerbaijão, acusaram Baku de novas violações da trégua vigente desde o final da guerra do outono de 2020.

O conflito no Nagorno-Karabakh remonta a 1998, quando esta região montanhosa, habitada por cerca de 80% de arménios (cristãos ortodoxos), pediu a integração na Arménia, e perante o silêncio das autoridades soviéticas desse período, celebrou um referendo sobre a independência que não foi reconhecido pelo Azerbaijão e a maioria dos países.

A região acabou por declarar a independência do Azerbaijão muçulmano após uma guerra no início da década de 1990, que provocou cerca de 30.000 mortos, centenas de milhares de refugiados e garantiu aos arménios o controlo do Nagorno-Karabakh e vastos territórios em seu redor.

Na sequência deste sangrento conflito foi assinado um cessar-fogo em 1994 e aceite a mediação do Grupo de Minsk (Rússia, França e Estados Unidos), constituído no seio da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), mas as escaramuças armadas continuaram a ser frequentes e implicaram importantes confrontos em 2018.

Cerca de dois anos depois, no outono de 2020, a Arménia e o Azerbaijão enfrentaram-se durante seis semanas pelo controlo do Nagorno-Karabakh durante uma nova guerra que provocou 6.500 mortos e com uma pesada derrota arménia, que perdeu cerca de 70% dos territórios que controlava há três décadas, incluindo uma parte da autoproclamada república.

Após a assinatura de um acordo sob mediação russa, Moscovo enviou uma força de paz de 2.000 soldados para a região do Nagorno-Karabakh.

No entanto, e apesar do tímido desanuviamento diplomático, os incidentes armados permanecem frequentes na zona ou ao longo da fronteira oficial entre os dois países.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Turquia tenta assegurar compra de caças F-16 norte-americanos

O Congresso norte-americano não está especialmente interessado em que a Turquia possa comprar mais 40 caças F-16 norte-americanos. Uma delegação de Ancara vai partir para os Estados Unidos para acompanhar a evolução do problema.

República Srpska aumenta cooperação económica com a Rússia

Apesar das sanções, apesar da possível entrada na União Europeia, apesar da oposição dos restantes elementos da Bósnia-Herzegovina, a parte sérvia de federação está a aumentar o grau de exposição à Rússia.
Comentários