Premium“Atirar a matar” não é título de filme é ordem de presidente

“Atirar a matar” soa a título de filme de ação e de fracas credenciais.

“Atirar a matar” soa a título de filme de ação e de fracas credenciais. Não é de ficção que aqui se trata, mas da ordem que o presidente do Cazaquistão deu na passada sexta-feira às forças de sugurança nacionais. Objetivo? Esmagar qualquer motim, revolta, manifestação de rua. O apoio de Moscovo deu-lhe o respaldo que pretendia para nem sequer equacionar o verbo “negociar”. Se é que alguma vez terá estado sobre a mesa…

O Cazaquistão, tão-só o maior país da Ásia Central e rico em recursos naturais, viu-se envolvido em fortes protestos na sequência do aumento dos preços do gás. Tudo começou nas zonas rurais, longe da capital económica, Almaty, e dos centros urbanos. Mas foi aqui que as

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumA oposição do outro lado da fronteira

Sviatlana Tsikhanouskaya, principal opositora ao presidente da Bielorrússia, que governa o país há quase três décadas, defende que “sem uma Ucrânia livre, não haverá liberdade para a Bielorrússia, e vice-versa”. Quer ser voz ativa na mudança e continuar a mobilizar os seus compatriotas e a comunidade internacional.

PremiumSapatos exclusivos inspirados em Miguel Guedes de Sousa

A Santoni e a Fashion Clinic acabam de lançar o modelo “Manota”, uma edição limitada concretizada em exclusivo pela marca de luxo de calçado italiano para a também luxuosa Fashion Clinic.

PremiumSérgio Conceição: um dragão a seus pés

É, provavelmente, o treinador mais imprescindível do FC Porto em 40 anos de presidência de Jorge Nuno Pinto da Costa.
Comentários