Atividade económica do Brasil cresceu 1,4% de janeiro a outubro

A atividade económica do Brasil acumulou um crescimento de 1,4% nos primeiros dez meses de 2018 em relação ao mesmo período de 2017, anunciou o Banco Central do país.

O órgão ligado ao Governo brasileiro destacou que o chamado Índice de Actividade Económica (IBC-Br), indicador criado pelo Banco Central para antecipar mensalmente tendências do Produto Interno Bruto (PIB), também registou um crescimento de 1,54% nos 12 meses até outubro.

A atividade económica do país também cresceu 0,2% em outubro reagindo à retracção sofrida em setembro, quando caiu 0,09% face a agosto.

No confronto de outubro com igual mês do ano passado, o IBC-Br indicou uma alta de 2,99%.

De acordo com esse indicador, que inclui resultados de alguns setores como indústria, serviços, agricultura e arrecadação de impostos, a atividade económica brasileira continua a crescer de forma tímida, mas sustentável.

Economistas do mercado financeiro consultados pelo mesmo Banco Central num informe semanal chamado boletim Focus previram que o PIB do Brasil continuará a recuperar lentamente e crescerá 1,3% em 2018, 2,55% em 2019 e 2,50% em 2020.

Recomendadas

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.

OE2022: Segurança Social regista excedente de 3.358 milhões de euros até outubro

A receita da Segurança Social aumentou em 9,1% e atingiu os 28.387,7 milhões de euros até outubro, enquanto a despesa caiu 0,5% para 25.030,1 milhões de euros, de acordo com a síntese divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.
Comentários