Atividade económica mantém-se em novembro e consumo privado volta a cair

“Em novembro, o indicador coincidente mensal para a atividade económica manteve-se inalterado. O indicador coincidente mensal para o consumo privado manteve o perfil de redução iniciado em março de 2018”, lê-se numa nota disponibilizada na página eletrónica do banco central.

O indicador coincidente mensal para a atividade económica manteve-se inalterado em novembro, enquanto o indicador para o consumo privado manteve a trajetória descendente iniciada em março, revelou hoje o Banco de Portugal (BdP).

“Em novembro, o indicador coincidente mensal para a atividade económica manteve-se inalterado. O indicador coincidente mensal para o consumo privado manteve o perfil de redução iniciado em março de 2018”, lê-se numa nota disponibilizada na página eletrónica do banco central.

Assim, o indicador coincidente mensal para a atividade económica manteve-se em 1,9% em novembro, enquanto o indicador coincidente mensal para o consumo privado caiu para 1,2%, face aos 1,4% registados no mês anterior.

Segundo o BdP, os indicadores coincidentes são “indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico”.

Recomendadas

Excendente orçamental melhora para 2,3 mil milhões de euros em agosto

Este valor representa uma melhoria de 9.211 milhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo o comunicado do Ministério das Finanças.

Banco Nacional de Angola desce juros, em contraciclo com os outros bancos centrais

O comité que decide a política monetária angolana justificou a descida dos jurps com a “consistência do abrandamento da evolução de preços na economia nacional, particularmente desde o início do ano, como resultado do contínuo e rigoroso controlo da liquidez, da apreciação do kwanza em relação às principais moedas utilizadas nas transacções com o exterior”.

CAP contesta que tese de que subsídios dados aos agricultores sejam “perversos”

“A temática da água, do seu bom uso e utilização como recurso, é um assunto levado muito a sério pelos agricultores e demasiado importante para se subordinar a declarações falsas e difamatórias de um único responsável”, refere a confederação em resposta a Joaquim Poças Martins.
Comentários