Ativista chinês condenado a 8 anos de prisão por “subverter o poder do Estado”

No final do julgamento, que decorreu num tribunal de Tianjin, no nordeste da China, Wu Gan disse que vai recorrer da sentença.

Um ativista chinês dos direitos humanos foi condenado esta terça-feira a oito anos de prisão pelo crime de subversão. Esta é a sentença mais severa aplicada na China a um ativista, segundo o britânico The Guardian.

Wu Gan é o nome do ativista condenado, também conhecido por Super Vulgar Butcher, nome pelo qual assina um blogue onde denuncia as autoridades governamentais por práticas que considera abusivas e corruptas. Wu Gan, que já estava em prisão preventiva há dois anos, foi agora sentenciado a oito anos de prisão, sob a acusação de “subverter o poder do Estado”.

“O tribunal descobriu que o réu Wu Gan ficou insatisfeito com o sistema político existente”, lê-se no veredicto citado pelo diário inglês. “Wu Gan usa há muito tempo redes de informação para espalhar uma grande retórica e atacar o poder do Estado e o sistema estabelecido pela constituição”, conclui.

No final do julgamento, que decorreu num tribunal de Tianjin, no nordeste da China, Wu Gan disse que vai recorrer da sentença.

Relacionadas

Xangai fixa limite de população

Com 24 milhões de habitantes, Xangai é atualmente a cidade mais populosa da China.

China quer passar ao lado do confronto

Nesta confrontação entre potências regionais que são também antigos impérios – desde logo o otomano, o persa, o russo e o árabe – só falta o ‘contributo’ da China, o Império do Meio. Ou a falta dele.
Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

Eleições do Brasil: Lula da Silva vota em eleição que pode definir o seu regresso ao Governo

Além de Lula da Silva e Bolsonaro, disputam as presidenciais brasileiras os candidatos Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Padre Kelmon, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.
Comentários