Ativistas de extrema-direita acusados de conspirarem o assassinato de Macron

Ativistas planearam atacar o presidente francês numa visita oficial ao nordeste de França em novembro de 2018. O julgamento vai decorrer em Paris na terça-feira.

Ativistas de extrema-direita e membros do grupo’ Les Barjols’ foram acusados de planearem um ataque ao presidente francês Emmanuel Macron, durante uma visita oficial ao nordeste de França, em novembro de 2018, segundo o “The Guardian”.

O caso que estava ser investigado levou à descoberta, através de escutas telefónicas, de que o gangue tinha planos para matar migrantes e atacar mesquitas, mas nenhum destes atos aconteceu. Tendo os advogados de reduzir as acusações contra os réus. O julgamento vai acontecer em Paris na terça-feira, e os membros, doze homens e uma mulher, enfrentam uma pena máxima de dez anos de prisão.

A advogada de defesa refere que este é um caso baseado na ficção de que um ato violento iria acontecer, pois tratavam-se apenas de conversas, sendo que não havia nenhuma ameaça concreta a Macron.

 

Recomendadas

MNE japonês aponta ao homólogo chinês “grandes desafios” na relação bilateral

“As relações Japão-China enfrentam muitos desafios e inquietações. A opinião pública no Japão em relação à China piorou drasticamente”, descreveu Hayashi ao homólogo chinês, apontando a preocupação com as atividades militares “cada vez mais ativas” da China perto do território nipónico.

Hong Kong inicia segunda-feira maior julgamento ao abrigo da Lei da Segurança Nacional

As pessoas em julgamento representam um amplo espectro da oposição de Hong Kong, desde o proeminente advogado Benny Tai a antigos deputados eleitos como Claudia Mo, Au Nok-hin e Leung Kwok-hung, até jovens ativistas pró-democracia como Joshua Wong e Lester Shum.

Multimilionário indiano acusado de manipulação de ações nega laços políticos

O grupo Adani tem sete empresas cotadas em bolsa e muitas delas registaram hoje fortes quedas, entre as quais a Adani Enterprises e a Adania Total Gas.
Comentários