Atropelamento em Melbourne: governo da Austrália afasta hipótese de terrorismo

O primeiro-ministro australiano também confirmou que o atropelamento fez 19 feridos, dos quais 12 permanecem hospitalizados, incluindo três em estado grave.

O primeiro-ministro australiano descartou esta sexta-feira descrever o atropelamento de uma multidão de peões, ocorrido na quinta-feira em Melbourne, como ato terrorista, apesar de nenhuma hipótese estar excluída definitivamente e de a polícia estar a investigar.

O condutor da viatura, um homem de 32 anos de origem afegã, que ainda não foi interrogado oficialmente, apresenta um historial de “problemas mentais e de consumo de estupefacientes”, disse Malcolm Turnbull, em conferência de imprensa, em Sydney.

Malcolm Turnbull afirmou que o atropelamento, que a polícia afirmou ter sido deliberado, foi um ato “isolado”, “deplorável e cobarde” e sublinhou que as investigações preliminares apontam que o condutor não tem ligações a “grupos extremistas”,      ressalvando que nenhuma hipótese foi totalmente descartada, recusando nesta fase classificar o ato como terrorista.

“O terrorismo é violência com motivações políticas. De momento, a polícia não está convencida que possa descrever [o atropelamento] como tal, apesar de [o detido] ter feito referência ao maltrato de muçulmanos como justificação para os seus atos”, declarou.

O primeiro-ministro australiano também confirmou que o atropelamento fez 19 feridos, dos quais 12 permanecem hospitalizados, incluindo três em estado grave.

Entre os feridos figuram nove estrangeiros, incluindo da Coreia do Sul, China, Itália, Índia, Venezuela, Irlanda e Nova Zelândia, de acordo com a polícia australiana.

Após o atropelamento, ocorrido numa movimentada via pedonal perto da estação de comboios Flinders Street, um segundo homem, de 24 anos, foi detido enquanto gravava o incidente, tendo sido encontradas três facas na mochila que transportava. As autoridades australianas, que o libertaram entretanto, por “acreditar agora que não tem ligações ao incidente”, indicaram que “está a ajudar na investigação”.

Relacionadas

Atropelamento em Melbourne: Polícia já identificou condutor da viatura

As autoridades indicam que o condutor da viatura se trata de um homem, de 32 anos, de descendência afegã, que não tinha ligações conhecidas ao terrorismo.

Atropelamento na Austrália foi “um ato deliberado”

A polícia de Melbourne não deu indicações sobre se o atropelamento está relacionado com terrorismo.
Recomendadas

Presidente da República participa hoje no 17.º encontro do Grupo de Arraiolos

Este ano a reunião do Grupo de Arraiolos – uma iniciativa fundada em 2003 pelo então Presidente da República Jorge Sampaio – realiza-se no Centro de Conferências do Mediterrâneo, em La Valetta, durante todo o dia.

Rússia apoderou-se formalmente da central nuclear de Zaporijia

A central de Zaporijia, a maior central nuclear da Europa, está nas mãos das tropas russas desde o início de março.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.
Comentários