Audição. As 10 profissões mais prejudiciais

A sua profissão pode influenciar a qualidade da sua audição. Há carreiras que o podem expor a frequências sonoras prejudiciais aos ouvidos, incluindo ambientes trabalho aparentemente silenciosos, mas onde são emitidos sons que provocam lesões nas delicadas estruturas internas do ouvido. Os Centros Auditivos GAES elaboraram a lista das 10 profissões com maior tendência para […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A sua profissão pode influenciar a qualidade da sua audição. Há carreiras que o podem expor a frequências sonoras prejudiciais aos ouvidos, incluindo ambientes trabalho aparentemente silenciosos, mas onde são emitidos sons que provocam lesões nas delicadas estruturas internas do ouvido.

Os Centros Auditivos GAES elaboraram a lista das 10 profissões com maior tendência para provocar perda de audição. 

Mas a lista poderia ser mais extensa. A GAES explica que empregados fabris e os agricultores estão igualmente expostos a elevados níveis de ruído (105 dB). Dulce Martins Paiva, directora-geral da GAES assinala que “Qualquer som, independentemente de ser prolongado ou não, que ultrapasse os 85 dB é potencialmente danoso para o ouvido humano. É importante respeitar os nossos ouvidos e assegurar o nosso bem-estar”.

A GAES recomenda a consulta junto de um médico ou audiologista, caso se aperceba de um zumbido incomodativo permanente.

10. Cabeleireiro/a

O barulho proveniente dos diversos secadores usados em simultâneo ultrapassa, frequentemente, os 85 decibéis (dB), o que pode contribuir para a degradação da capacidade auditiva.

9. Educador/a de infância

Os contínuos ataques de choro e gritos, tão típicos dos mais pequenos, atingem também níveis superiores a 85 dB, sugere uma pesquisa da empresa Cirrus. Os educadores devem alternar os seus dias entre atividades mais calmas – como desenho e a hora do conto – e atividades mais barulhentas, como música ou brincadeiras no exterior.

8. Estafeta

Os estafetas que trabalham em motociclos a motor podem estar “metidos em sarilhos”, diz a GAES. O som do barulho acrescido do som do vento pode produzir ruído superior a 103 dB. “Se conduz uma mota, assegure-se que o seu capacete cobre totalmente a cabeça, pois esses garantem uma maior proteção do que aqueles que apenas protegem o topo da cabeça”, afirma Dulce Martins Paiva.

7. Jardineiro/a

Os corta-relvas produzem um ruído superior a 107 dB, o que pode ser altamente prejudicial para a audição. Use protetores auditivos enquanto trata do jardim, recomenda a GAES.

6. Músico, DJ, técnico de som ou empregado de bar/discoteca

A música com um volume elevado pode provocar perda auditiva. Para a maioria dos bartenders, porteiros, DJ e outro staff de clubes noturnos, os níveis de ruído estão geralmente acima dos 115 dB, de acordo com estudo da Acoustical Surfaces. Esta exposição prolongada pode causar graves danos nos  ouvidos. Além destes profissionais, os músicos estão também expostos a elevados níveis de ruído. A título de exemplo, Phil Collins (dos Genesis) e Chris Martin (dos Coldplay) são algumas das estrelas que sofreram perdas auditivas resultantes das suas carreiras de músicos.

5. Carpinteiro

O barulho das ferramentas elétricas usadas pelos carpinteiros, como por exemplo o berbequim, pode ser superior a 120dB.

4. Técnico de construção civil

Tal como a carpintaria, a construção é outra indústria muito ruidosa. A maquinaria usada por estes profissionais pode ser ouvida a largos metros de distância. A Associação Americana de Audição e Linguagem Gestual indica que um martelo pneumático vai além dos 130 na escala de decibéis.

3. Mineiro

Qualquer carreira que envolva o uso de maquinaria pesada resulta num elevado nível de ruído e extração de minério não é exceção. Aqui, os níveis de ruído podem ser superiores a 135 dB.

2. Piloto de Fórmula 1

Nesta profissão, os sons danosos podem ir além dos 135 dB, nível equiparável ao da extração de minérios. Felizmente os pilotos usam proteção auditiva! Recomenda-se igualmente o uso de protetores auditivos a quem assiste a uma prova.

1. Técnicos de controlo aeroportuário

Se faz parte de uma equipa que trabalha no solo de um aeroporto, corre definitivamente elevados riscos de perda auditiva. O ruído das aterragens e descolagens dos aviões pode ultrapassar os 140 dB.

OJE

Recomendadas

“Modo goblin”. A recém-eleita ‘palavra’ de 2022 da Oxford espelha o peso da realidade

O termo refere-se a “um tipo de comportamento que é assumidamente autoindulgente, preguiçoso ou desleixado, tipicamente de uma forma que rejeita normas ou expectativas sociais”. “Dado o ano que estamos a viver, o ‘modo goblin’ ressoa em todos nós que estamos um pouco sobrecarregados neste momento”, disse Grathwohl, citado pelo “The Guardian”.

PremiumNancy Pelosi: o render da guarda da guardiã dos velhos democratas

Devidamente independente para uns, demasidado independente para outros, a “louca Nancy Pelosi”, como Trump lhe chamava, é apenas dois anos mais velha que Joe Biden

“Noto em Portugal uma cultura relojoeira cada vez mais robusta”

Enquanto administrador do Grupo Tempus, distribuidor exclusivo para Portugal de marcas de referência, David Kolinski tem a certeza de que as insígnias representadas pela sua empresa continuarão a saber surpreender os seus clientes com lançamentos e coleções inesperadas.