Aumento das taxas de juro: conselhos para apoiar consumidores

Os bancos estão obrigados, por lei, a acompanhar, de forma permanente e sistemática, o cumprimento dos contratos dos consumidores e a realizar as diligências necessárias para detetar eventuais indícios de risco de incumprimento.

O Banco Central Europeu anunciou na passada quinta-feira, dia 8 de setembro, pela segunda vez consecutiva, o aumento das taxas de juro de referência na zona Euro. O aumento de 0,75% pontos base nas taxas de juro é um valor histórico.

 Os consumidores, que desde o início o ano se debatiam com o impacto do aumento do custo de vida, enfrentarão dificuldades acrescidas no cumprimento dos seus compromissos financeiros.

Preocupada com a instabilidade financeira das famílias, a DECO quer estar ao seu lado, informando-as e aconselhando-as na gestão dos seus orçamentos e no cumprimento de todos os encargos.

Destacamos alguns conselhos para apoiar os consumidores neste período difícil, em que é fundamental pensar e repensar o orçamento familiar, avaliar cuidadosamente rendimentos e despesas e proceder a reajustes nos comportamentos de consumo.

Contactar a instituição de crédito e informar das suas dificuldades

Os bancos estão obrigados, por lei, a acompanhar, de forma permanente e sistemática, o cumprimento dos contratos dos consumidores e a realizar as diligências necessárias para detetar eventuais indícios de risco de incumprimento.

Caso detetem sinais de risco de incumprimento, por exemplo a existência de incumprimento em outros empréstimos reportados na central de responsabilidades de crédito do Banco de Portugal, ou perante o alerta do próprio consumidor para situações de risco, como desemprego ou doença, o banco deve integrá-lo no Plano de Ação para o Risco de Incumprimento e avaliar se o mesmo tem capacidade financeira para evitar o possível incumprimento.

Promover e avaliar soluções

O banco deve analisar a capacidade financeira do consumidor e promover a implementação de soluções que permitam a manutenção do pagamento regular do empréstimo. Estas soluções podem passar pela negociação das condições do contrato, pelo refinanciamento ou pela consolidação.

Participar ativamente e de forma transparente

O consumidor deve participar ativamente no processo de análise da sua capacidade financeira, enviando toda a documentação solicitada e prestando todos os esclarecimentos necessários para o bom desenvolvimento de soluções.

Qualquer informação ou solução deverá ser apresentada em suporte duradouro e resultar sempre de um acordo entre o consumidor e a instituição.

 O Gabinete de Proteção Financeira da DECO está totalmente disponível para ajudar os consumidores, esclarecendo todas estas questões e procurando soluções adequadas à sua situação.

Informe-se connosco.

Conte com o apoio da DECO MADEIRA através do número de telefone 968 800 489/291 146 520, do endereço eletrónico deco.madeira@deco.pt. Pode também marcar atendimento via Skype. Siga-nos nas redes sociais Facebook, Twitter, Instagram, Linkedin e Youtube!

 

 

Recomendadas

Custos de construção de habitação nova aumentam 13% em termos homólogos

Os custos de construção de novas habitações em outubro aumentaram 12,5% face ao ano passado, estima o Instituto Nacional de Estatística. O valor fica 0,8 pontos percentuais abaixo dos dados de setembro. Materiais e custo da mão-de-obra representam as maiores variações.

Taxas Euribor continuam a subir e os consumidores a enfrentar dificuldades

A Euribor tem subido de forma acentuada nas últimas semanas, levando ao aumento das prestações mensais do crédito à habitação, logo a um agravamento das dificuldades das famílias. A taxa da Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 06 de junho de 2022, está atualmente acima dos 2,4%. Este é um novo máximo desde janeiro de 2009.

Já tem o seu pinheiro de Natal? Saiba que esta compra pode ser um ato solidário

A escolha das luzes de Natal também deve ser cuidada. Opte por um sistema de luzes led com transformador de baixa tensão.
Comentários