Aumento de 2% nos transportes em 2018 confirmado pelo regulador

Em 2017, o despacho normativo que vigorou fixava em 1,5 % a percentagem máxima de aumento médio nos preços para os títulos relativos aos transportes coletivos.

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) emitiu esta quarta-feira o parecer sobre a proposta de despacho normativo que fixa em 2% a percentagem máxima de aumento médio de atualização em 2018 dos preços praticados para os bilhetes relativos aos transportes coletivos.

No documento do regulador pode ler-se: “A AMT considera que o despacho normativo está em conformidade com o atual enquadramento legal, e vem facilitar a intervenção das entidades públicas e a articulação entre estas e os operadores”.

A AMT faz saber ainda que “acompanhará a execução do despacho pelas autoridades de transporte locais e pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes, para efeitos de fiscalização do seu cumprimento”.

Em 2017, o despacho normativo que vigorou fixava em 1,5 % a percentagem máxima de aumento médio nos preços para os títulos relativos aos transportes coletivos.

Recomendadas

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Câmara de Grândola aprova nova descida do IMI e alargamento do IMI familiar

A Câmara Municipal de Grândola aprovou, na passada quinta-feira, as propostas de redução do IMI de 0,34% para 0,33%, e de alargamento do IMI familiar para famílias com um dependente. Reduções que são para vigorarem em 2023.
Comentários