Austrália pede à China que use influência para acabar com invasão russa (com áudio)

“Pedimos à China, como membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com uma responsabilidade especial, que defenda a Carta da ONU e use a sua influência para acabar com a guerra”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros da Austrália, Penny Wong, ao homólogo chinês, Wang Yi, segundo uma mensagem difundida após o encontro.

A Austrália pediu hoje à China que use o bom relacionamento que tem com a Rússia para acabar com a invasão “ilegal” da Ucrânia, durante uma reunião entre os ministros dos Negócios Estrangeiros dos dois países.

“Pedimos à China, como membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com uma responsabilidade especial, que defenda a Carta da ONU e use a sua influência para acabar com a guerra”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros da Austrália, Penny Wong, ao homólogo chinês, Wang Yi, segundo uma mensagem difundida após o encontro.

Os comentários de Wong – que descreveu a ameaça do Presidente russo, Vladimir Putin, de usar armas nucleares, como “impensável e irresponsável” – foram feitos durante um diálogo “construtivo”, à margem da assembleia geral das Nações Unidas.

Wong também reiterou os seus pedidos de contenção na questão de Taiwan, após comentários do Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que abriu a possibilidade de enviar forças militares norte-americanas para defender a ilha, no caso de uma invasão chinesa.

A ministra australiana insistiu que, desde 1972, o seu país mantém uma posição unificada de reconhecer o governo em Pequim como o único governo legitimo de toda a China, embora tenha sublinhado que a política de Camberra também “inclui compromissos económicos e de intercâmbio entre pessoas, com Taiwan”.

Ao nível das relações bilaterais, Wong indicou que discutiu com Wang as barreiras comerciais impostas por Pequim a vários produtos australianos, a prisão e o julgamento de cidadãos sino-australianos, incluindo a jornalista Cheng Lei e o ativista e acadêmico, Yang Hengjun, entre outros.

“É um longo caminho que ambos os lados terão que percorrer até termos uma relação mais estável”, disse Wong.

Os laços diplomáticos entre a Austrália e a China foram abalados por vários desentendimentos, incluindo a exclusão, em 2018, por motivos de segurança nacional, das empresas chinesas Huawei e ZTE, da infraestrutura 5G da Austrália.

Desde então, as relações deterioraram-se devido a questões como a aprovação na Austrália de leis contra a interferência e espionagem estrangeira, após serem conhecidas doações chinesas a políticos australianos, e ciberataques a agências estatais e universidades, atribuídas à China.

Pequim retaliou com a imposição de taxas alfandegárias punitivas sobre vários produtos australianos, sobretudo após a Austrália ter apelado a uma investigação independente sobre a origem da covid-19.

Recomendadas

Medidas de apoio à inflação agravam endividamento das empresas e dinâmica inflacionista, alerta Fórum para a Competitividade

O think-tank critica as opções do Governo para o apoio a famílias e empresas face à subida generalizada de preços, sugerindo, ao invés, que haja uma dispensa do pagamento por conta no IRC, que o Estado pague as suas dívidas a fornecedores e que se acelere o investimento.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Governo ajusta em baixa o desconto do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos

Tendo em conta a evolução recente de descida do preço do gasóleo e da gasolina, “estas medidas temporárias resultam numa atualização [em baixa] do desconto do ISP em cerca de 0,1 cêntimos por litro de gasóleo e 4,4 cêntimos por litro de gasolina”, explica o comunicado de Fernando Medina.
Comentários