Austrália quer recrutar espiões para trabalhar no estrangeiro

A ASIS lançou um plano de recrutamento de espiões através do qual os candidatos devem participar num jogo ‘online’, em que devem notar pequenos pormenores, ler os rostos e avaliar a veracidade da informação.

A Austrália quer recrutar espiões capazes de trabalhar no estrangeiro em prol dos interesses do país, anunciou hoje a ministra dos Negócios Estrageiros, Julie Bishop.

“O que procuramos são pessoas de diversas origens, pessoas que têm uma visão curiosa, que são obviamente inteligentes”, disse Bishop ao Canal 7, ao referir-se ao processo para recrutar agentes para a agência de serviços secretos australiana (ASIS, em inglês).

A ASIS lançou um plano de recrutamento de espiões através do qual os candidatos devem participar num jogo ‘online’, em que devem notar pequenos pormenores, ler os rostos e avaliar a veracidade da informação.

A ministra escusou-se a dar pormenores sobre a operação, mas disse que o trabalho é “no estrangeiro, para recolher informações secretas”.

“É uma agência de espionagem, claro”, disse a ministra, ao referir-se ao processo de recrutamento, que provocou uma forte reação nas redes sociais.

“Não é como o James Bond, nem é para conduzir um Aston Martin”, disse num programa de televisão quando questionada sobre o trabalho, em referência ao espião britânico 007 imortalizado no cinema.

Relacionadas

Polícia australiana alerta para possíveis ataques terroristas no final do ano

“Se olharmos para o número de perturbações (da ordem) nos últimos dois anos e quando ocorreram, vê-se que há uma escalada no final do ano”, disse Ross Guenther, encarregado da luta antiterrorista da polícia do estado de Victoria, ao diário “The Australian”.

Parlamento da Austrália aprova lei do casamento entre pessoas do mesmo sexo

A reforma que faz da Austrália o vigésimo quinto Estado que legaliza os casamentos entre pessoas do mesmo sexo altera a última lei de matrimónios australiano que data de 1961.
Recomendadas

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.

Joe Biden assina lei que evita greve ferroviária antes do Natal nos EUA

O Presidente dos EUA, Joe Biden, assinou hoje uma lei que impede a greve ferroviária em véspera de Natal, mas que vai contra as exigências de alguns sindicatos, ao deixar os trabalhadores sem dias de baixa por doença remunerados.

UE aprova proposta de limite de 60 dólares por barril de petróleo russo

Os países da União Europeia (UE) concordaram com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo, no âmbito das sanções para evitar picos de preços de combustíveis e para prejudicar os interesses de Moscovo.
Comentários