Austrexit: a próxima peça do dominó da desagregação europeia

Norbert Hofer, candidato da extrema-direita, defende a realização de um referendo sobre o estatuto do país na União Europeia. Mais um passo para a anunciada desagregação europeia.

O candidato da extrema-direita às presidenciais austríacas do próximo dia 4 de dezembro, Norbert Hofer, irá apoiar a realização de um referendo sobre o estatuto de Estado-membro da União Europeia, caso o bloco se torne mais centralizado após o Brexit. Uma questão já suscitada por políticos em países como França, Holanda ou Dinamarca, informa o DN.

Hofer, que poderá tornar-se no primeiro presidente de extrema-direita da União Europeia, afirmou, em declarações à BBC, que a UE é importante para a Áustria, mas que quer “uma União Europeia melhor”. E insistiu que um voto neste referendo não seria, na sua opinião, um voto para a Áustria sair da UE. No entanto, afirmou o candidato da extrema-direita, existem dois fatores que podem fazê-lo mudar de ideias: uma futura decisão de conceder à Turquia o estatuto de Estado membro da União Europeia e a forma como o bloco irá reagir à saída do Reino Unido.

“Se a resposta ao Brexit for fazer uma União Europeia mais centralizada, na qual os parlamentos nacionais ficam esvaziados de poder e onde a união é governada como um Estado. Neste caso, teremos de fazer um referendo na Áustria, porque iria levar a uma mudança constitucional”, explicou Hofer à BBC.

No próximo dia 4, com a repetição da segunda volta, saberemos se o próximo presidente da Áustria será Norbert Hofer, de extrema-direita, ou Alexander Van der Bellen, antigo líder de Os Verdes e que concorre como independente.

Em França, a líder da Frente Nacional, Marine Le Pen, dada como a favorita nas presidenciais do próximo ano, já prometeu a realização de um referendo sobre a permanência do país na UE caso ganhe as eleições. Na Holanda, logo após a votação do Brexit, o nacionalista Geert Wilders também pediu um referendo. Sendo que, em junho, uma sondagem do canal Een Vandaag apontava que 54% dos holandeses queriam um referendo.

No rescaldo do Brexit, o eurodeputado eurocético sueco Peter Lundgren sugeriu que a Suécia e a Dinamarca “estavam à beira” de sair da UE e que poderia criar-se um “bloco económico nórdico” liderado pelo Reino Unido. Em dezembro, 53% dos dinamarqueses votaram contra a integração do país na área de justiça da UE, mantendo assim o estatuto do país. Em Itália, o líder da Liga Norte, Matteo Salvini, já começou uma petição para a realização de um referendo.

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

Eleições do Brasil: Lula da Silva vota em eleição que pode definir o seu regresso ao Governo

Além de Lula da Silva e Bolsonaro, disputam as presidenciais brasileiras os candidatos Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Padre Kelmon, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.
Comentários