Autarca de Borba diz-se orgulhoso do Estado devido às indemnizações

“Esta atitude do Estado português é, de facto, a atitude de um Estado. Infelizmente, por muitas vezes já duvidei do Estado mas sinceramente, hoje estou contente com o Estado que temos em Portugal, que felizmente assumiu”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de Borba.

António Anselmo, presidente da Câmara Municipal de Borba, disse estar orgulhoso do Estado por causa do pagamento de indemnizações às vítimas da queda da EM255 em Borba. Em declarações à ”TSF”, o autarca afirmou: “Esta atitude do Estado português é, de facto, a atitude de um Estado. Infelizmente, por muitas vezes já duvidei do Estado mas sinceramente, hoje estou contente com o Estado que temos em Portugal, que felizmente assumiu”.

As palavras de António Anselmo chegam depois de o Conselho de Ministros ter aprovado “a atribuição de indemnizações pela morte das vítimas da derrocada parcial da Estrada Municipal 255, em Borba”. No entanto, o comunicado do Governo também sublinha que “esta decisão não prejudica o apuramento de eventuais responsabilidades relativamente às quais possa vir a ser exercido direito de regresso por parte do Estado”. Ou seja, se as investigações concluírem que a culpa da queda da estrada foi da autarquia, então é possível que a Câmara tenha de devolver ao Estado o dinheiro gasto nas indemnizações.

Quanto ao apuramento dos culpados, António Anselmo desvaloriza se “a culpa é do Zé ou do Manuel”. “Neste momento a culpa nem é de ninguém, eu sei lá de quem é a culpa. Agora, a atitude do Estado é uma atitude que me orgulha enquanto português”, reforçou.

O comunicado do Conselho de Ministros afirma também que a fiscalização, gestão e conservação da estrada municipal 255 eram da competência exclusiva do município de Borba. O autarca entende que este ainda não é o momento para comentar a imputação dessas responsabilidades.

“Passou um mês, não é? Acho que devemos ter um bocado de paciência. Primeiro enterrámos os mortos, as famílias fizeram o luto e o sofrimento às famílias ninguém o tira. Cá estaremos para assumir o que tivermos de assumir”, garantiu, em declarações à rádio.

Relacionadas

Câmara de Borba sabia da estrada em ruínas desde 2014 e não tomou medidas

Documento preliminar aponta para responsabilidades da câmara em relação à EM255 e falhas do Estado central quanto às pedreiras. Conselho de Ministros aprovou indemnizações mas espera ser ressarcido.

Respostas Rápidas: Por que vai o Governo indemnizar as vítimas de Borba?

“Para acautelar desde já o ressarcimento pelos danos sofridos, e perante a ausência de qualquer ação por parte das entidades públicas ou privadas imediata e diretamente responsáveis”, explica o comunicado do Conselho de Ministros.

Governo aprova indemnizações às vítimas da derrocada da estrada em Borba

Conselho de Ministros aprovou a atribuição de indemnizações pela morte das vítimas da derrocada da Estrada Municipal 255, em Borba.
Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários