Autarquia do Funchal nega perseguição a funcionários e acusa MPT de falta de seriedade

O executivo camarário diz que o MPT tenta alimentar o delírio de ser uma entidade séria e moralista quando toda a gente sabe que à falta de qualquer proposta as acusações do partido são uma vergonha que não é para levar a sério.

O executivo camarário do Funchal condenou a falta de seriedade do MPT Madeira quando diz que a Câmara Municipal persegue funcionários. O município acrescenta que vai recorrer às instâncias legais.

“Consideramos deplorável a posição pública assumida esta terça-feira, uma vez mais, pelo MPT-Madeira”, referiu a Câmara Municipal do Funchal.

O executivo da autarquia do Funchal diz que o partido “tenta alimentar o delírio” de ser “uma entidade séria e moralista” quando toda a gente sabe que à “falta de qualquer proposta ou de qualquer ideias, as acusações do MPT-Madeira são uma vergonha que não é para levar a sério”.

Para a autarquia do Funchal acusações como as que fez o MPT Madeira “são graves” e que por isso merecem uma tomada de posição pública “em nome do bom senso, da honestidade intelectual e do respeito por si próprio e pelas instituições”.

A Câmara do Funchal diz que o MPT Madeira “não pode ter provas daquilo que não existe” acrescentando que a autarquia vai reportar a situação às estâncias legais.

Recomendadas

Madeira: PS critica falta de apoio do Governo Regional ao investimento privado

Sérgio Gonçalves falava durante uma visita do Grupo Parlamentar socialista à empresa Autocrescente.

Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira defende papel mediador dos parlamentos regionais

Em Espanha, os 72 presidentes das Assembleias Legislativas Regionais debateram as relações com o Comité das Regiões Europeu. Os parlamentos regionais querem dialogar diretamente com as instituições europeias.

Câmara do Funchal retirou das ruas 17 pessoas sem-abrigo

O presidente da autarquia anunciou também estar em preparação um ‘Plano Municipal para Pessoas em Situação de Sem-abrigo’, um plano que “não existia quando chegamos à Câmara”.
Comentários