Autor
Eduardo Luíz, diretor artístico do Teatro Experimental do Funchal
Artigos

Todos temos um lugar e podemos ser!

Nos anos setenta recordo-me do chavão: “ o teatro é uma arma e como tal tem que ser utilizado…”. Claro que o teatro é uma arma; é um meio de atingir vários objetivos, se for bem utilizado. Aproveitado para boas causas, não só artísticas como também culturais e mesmo recreativas, que possam dignificar o indivíduo como cidadão do mundo, o dos dias de hoje, onde habitamos de forma tão intensa, à velocidade de um simples toque, será um verdadeiro escudo.

O reencontro com o tesouro perdido

Um sentimento que eu não sei como explicar arregaçou-me as lágrimas às muralhas dos meus olhos (deixem passar a minha poética) quando vi ali, à minha frente, o acervo de peças de teatro que eu vezes sem conta já alertara da sua existência durante anos aos responsáveis que passaram no Baltazar Dias. E ali estavam, os livros, enfim encontrados, quiçá por um acaso do destino, e dignificados, ali em prateleiras para os curiosos dos textos de teatro poderem agora usufruir.

Urgente Ser Or Not To Be…

Toda e qualquer dita profissão no nosso mundo civilizado, devidamente legalizado, necessita de uma boa formação para que possa verdadeiramente singrar com todo o seu esplendor e respeito pelos seus pares. Então, qual o problema de assumir definitivamente a profissão dos artistas com a dignidade que merecem. Porquê continuar a discutir o sim e o não da profissionalização dos professores e artistas das artes? Porquê!?