Autor
Luís Reis, Professor Universitário
Artigos

Da troika à geringonça

Hoje termino a minha colaboração com este jornal, mas cá estarei para denunciar um Orçamento que empurra mais uma vez para a frente qualquer resolução de problemas estruturais.

Com Tino

Os fenómenos políticos de marca populista ou de feição despudoradamente emocional têm feito o seu caminho à custa da degradação paulatina da qualidade das democracias onde se propagam.

A girafa

O discurso castrador e neutralizante que vai fazendo o seu caminho preocupa-me e deve preocupar todos os amantes da liberdade e da democracia.

Mar à vista

António Costa não tem que fazer nada. Basta-lhe nada fazer e não ceder às exigências dos parceiros que querem “tudo e agora”.

Há mar e mar…

Portugal pode e deve estar na linha da frente das respostas a dar às novas interrogações colocadas pelo mar. O INESC é o ponta-de-lança nacional, saibam os governos aproveitá-lo.

Para Lisboa já e em força!

Se a teimosia não norteasse todos os gauleses que permanecem infiéis a Roma, terminaria de uma assentada a triste guerrilha Norte-Sul que põe em questão a escolha de Lisboa como casa natural da Agência Europeia de Medicamentos.

O regresso do pântano

Espero estar enganado. Espero que aquilo que observo não seja um pântano, mas uma verdadeira maturidade tranquila da nova “democracia dos afetos” em que vivemos.

Exame final

É este o momento de a oposição apresentar propostas novas, de apontar reformas, de defender a modernidade, a inovação e o crescimento económico.

Os deuses devem estar loucos!

O Partido Socialista é hoje, contrariando a opinião publicada dominante sobre António Costa, o principal fator de instabilidade e imprevisibilidade em Portugal.
Ver mais artigos