Autocarros para Lisboa são o maior contrato público de sempre

O projeto, que envolve os 18 municípios da AML, foi assinado no fim de março do presente ano e está repartido por quatro áreas de intervenção.

Carris

O contrato público para a contratação de uma nova frota de autocarros e do novo serviço de transporte rodoviário de passageiros na Área Metropolitana de Lisboa (AML), intitulado Carris Metropolitana, ascende a mais de 1,2 mil milhões de euros, avança o “Dinheiro Vivo” com base em dados oficiais do Governo no Portal Base.

O projeto, que envolve os 18 municípios da AML, foi assinado no fim de março do presente ano e está repartido por quatro áreas de intervenção. Para este projeto está prevista a compra de 600 autocarros modernos e menos poluentes.

De acordo com a publicação, o maior lote do contrato foi ganho pela empresa Viação Alvorada, uma nova empresa criada para este contrato público, que resulta na junção da Vimeca e da Scotturb. São 397,2 milhões de euros alocados para esta empresa durante sete anos, que vai explorar a zona noroeste de Lisboa, nomeadamente concelhos da Amadora, Oeiras, Sintra e as ligações a Lisboa e a Cascais. Serão ainda criadas 35 novas carreiras, que se juntam aos 98 itinerários já existentes, num total de 133 carreiras.

A Rodoviária de Lisboa, que serve a zona do Oeste, tem alocados 365 milhões de euros no seu lote, enquanto a Transportes Sul do Tejo (TST) vai receber 260 milhões de euros. O quarto e último lote é assinado pela Nex Continental Holdings – Transportes Luísa Todi e Transvia – num valor de 185 milhões de euros para reforçar o serviço na península de Setúbal.

Celebrado em março de 2021, os autocarros para Lisboa significam quase 20% do total contratado no primeiro semestre do ano.

Recomendadas

EDP emite 500 milhões de dólares de ‘green bonds’ a 5 anos

Esta emissão destina-se ao financiamento (ou refinanciamento) do portfólio de projetos renováveis elegíveis da EDP, anuncia a empresa.

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.

“Nem eu nem a FPF quisemos criar esquema para iludir a AT”, defende selecionador sobre empresa que detém

Fernando Santos pretendia a anulação de liquidação de IRS no valor de cerca de 4 milhões de euros, verba relativa aos anos 2016 e 2017, sabe o JE. O contrato celebrado entre o selecionador e a FPF foi efetuado através de uma empresa, sendo que o respetivo IRC já foi liquidado.
Comentários